A festa, parte 1



E assim os dias passam. Harry pediu que Gui buscasse informações sobre as finanças da secretária de Draco Malfoy e descobriu que a sua conta era modesta como era de se esperar, ela tinha o suficiente para viver de forma confortável, talvez não por muito tempo já que a senhora fazia retiradas periódicas de quantias razoáveis, mesmo assim não há nada que justifique um ataque.



Ele ainda não foi conversar com Draco. Harry resolveu esperar até que o loiro se restabelecesse, a última coisa que ele quer é arriscar a ter um problema com Hermione por causa da saúde de Draco, mas durante este tempo ele fez as suas investigações, infrutíferas por sinal. Isso o frustra bastante e apenas por causa do seu orgulho ele não procurou Severo Snape para buscar ajuda.



Draco se recuperou completamente, no entanto ele ainda não tem nenhuma lembrança do que aconteceu em Joanesburgo, o que frustra muito o loiro que muitas vezes se pega pensando na figura feminina que ele viu rapidamente. Por mais que ele force a memória, não vem nada a sua mente.



Ele ainda não retornou ao trabalho. Draco está cismado com as perguntas que Harry lhe fez sobre quem sabia da sua viagem. A seu ver todos com quem ele trabalha são de confiança, o loiro não consegue imaginar quem faria uma coisa destas e muito menos por que. Mas no momento ele não quer pensar nisso, agora ele só quer pensar na festa da sua filha caçula que finalmente chegou.



A sua pequena está exultante e Draco sabe que não é pela festa em si. Annie não liga muito pras coisas materiais, mas ter os amigos reunidos, isso sim vale muito pra ela. Mesmo assim Draco se empenhou para dar a sua caçulinha a sua festa dos sonhos.



Ele olha para o jardim amplamente decorado onde os elfos dão os últimos retoques. O tema escolhido foi o fundo do mar e Draco aproveitou esse tempo em casa para garantir que tudo estivesse perfeito. Falta pouco tempo para o início da festa e ele precisa se arrumar, daqui a pouco os convidados chegarão.



- Você ainda não está pronto papai? – a voz doce da sua caçula se faz ouvir – daqui a pouco os convidados começam a chegar.



- Já vou me arrumar, bruxinha – ele sorri ao ver o entusiasmo da menina – além disso, somos bruxos, esqueceu? Eu posso pegar a minha varinha e me arrumar em segundos. Eu juro que na hora que os convidados chegarem, seu pai vai estar arrumado ao lado da minha caçulinha recebendo todo mundo.



- Obrigada, papai – ela diz exultante – eu estou muito feliz – ela para por um momento – sabe, quando você estava viajando, eu disse pra mim mesma que eu não fazia questão da festa, eu só queria você de volta – ela fica pensativa – será que é errado eu ter a minha festa agora?



Draco olha para a sua menina, a sua Annie, a criança mais doce que alguém pode conhecer – não bruxinha, não é errado – ele diz acariciando a face dela – não é errado porque você é uma menina maravilhosa e você merece uma festa e sabe o que mais? – ele olha para a menina que o fita com curiosidade – eu conheço você e eu sei que não é a festa que importa, o que você gosta mesmo é ver seus amigos e as pessoas que você gosta se divertindo, estou errado? – ele vê a menina balançar a cabeça negativamente – eu vou me arrumar agora – Draco dá um beijo na filha e entra na casa.



XXXXX



Enquanto isso



Severo Snape olha mais uma vez o seu traje se maldizendo pela décima ou décima quinta vez o momento em que ele decidiu ir a esta festa. Definitivamente uma festa de criança não é lugar para um mestre de poções tão taciturno e mal humorado, definitivamente não é!



Ele diz para si mesmo que está indo apenas pela oportunidade de observar e quem sabe descobrir algo sobre o estranho sumiço de Draco Malfoy. No entanto, Snape nunca foi uma pessoa que mentiu para si mesmo e ele sabe lá no fundo que ele está fazendo isso pela pequena dama que tão gentilmente lhe convidou, apenas por isso.



Ele olha para o presente que Harry lhe ajudou a escolher, segundo ele exatamente o que uma garotinha desta idade gostaria de ganhar. Snape precisa confiar na sugestão de seu ex-aluno, ele não tem a mínima ideia sobre o que garotinhas gostam, mas algo em sua intuição lhe diz que a sua pequena dama gostaria de qualquer coisa que ele levasse. Snape nunca viu uma criança tão doce quanto a filha de Draco Malfoy e se essa menina conseguiu ver algo de bom nele, o temido mestre de poções, o herói mais controverso da guerra bruxa, talvez ainda exista alguma esperança...



XXXXX



Na mansão Malfoy



Draco olha para os convidados. Ele vê as suas meninas brincando com outras crianças e por um momento tudo parece certo, a sua vida perfeita continua perfeita. Talvez seja apenas coisa da sua cabeça e tudo o que aconteceu não vai afetar a sua vida, no entanto o loiro sabe que as coisas não são assim, nunca são.



Ele vê Hermione conversando com Victor Krum, o loiro não pode deixar de sentir uma pontinha de ciúmes que ele logo tenta disfarçar. Draco sabe que sua esposa ficaria chateada se sequer pensasse em algo assim, mas como um bom sonserino, ele vai defender seu território. Então ele se dirige ao local onde a esposa está.



- Novidades por aqui? – ele chega em sua esposa e lhe beija a face de modo protetor – deve ser algo interessante.



- Você nem imagina – ela olha para o ex-apanhador que lhe assente com a cabeça permitindo que Hermione diga a Draco o teor da conversa – o Victor estava me contando que o Igor foi sequestrado.



- Sequestrado! – Draco diz esquecendo qualquer tipo de ciúme. Uma criança em perigo a seu ver é algo mais importante



- Sim – Krum fala com seu sotaque carregado – o padrasto deles o sequestrou – ele suspira – ele sabia que eu tinha dinheiro e chantageou o Igor para que ele colaborasse com o sequestro dizendo que iria levar a irmã embora e que ele nunca mais a veria



- Irmã? – Draco diz sem entender – eu não sabia que ele tinha uma irmã



- Nem eu – o ex-apanhador diz com um sorriso – uma irmã gêmea!



- Isso quer dizer então... – o loiro fala estarrecido



- Sim, senhor Malfoy – Victor diz com um sorriso orgulhoso – eu que até uns meses atrás não tinha nenhum filho, agora tenho dois – ele aponta as duas crianças de cabelos escuros brincando – não vou dizer que está sendo fácil, mas eu estou me adaptando.



- Vai dar tudo certo, Victor – Hermione sorri – eu sei que às vezes as coisas vão ficar difíceis, mas isso é normal. Como você disse, vocês estão se adaptando. Se você precisar de alguma coisa pode contar com a gente – ela olha para o marido que assente – nem que seja pra deixar as crianças aqui quando você precisar de um tempo pra você mesmo



- Certamente você vai precisar disso de vez em quando, Krum – o loiro diz meio atordoado com todas as informações – agora se me dão licença – ele vê Blaise chegar com Jezz. Ele não toma jeito mesmo... Draco pensa com seus botões – eu vou receber alguns convidados, acho que a Annie não está muito preocupada em recepcionar as pessoas a essa altura do campeonato – ele olha para a caçula que brinca animada com as outras crianças e se retira.



XXXXX



Enquanto isso...



Harry observa suas crianças brincando, mas ao mesmo tempo ele observa também os convidados adultos. Em sua mente apenas uma coisa, tentar descobrir algo que o ajude a desvendar o que aconteceu com Draco Malfoy na África do Sul. Ele passa o olhar pelas pessoas mais conhecidas, seus amigos há muito tempo. Harry sabe que pode descartar estas pessoas, então ele começa a focar nas pessoas que ele não conhece bem, principalmente as figuras femininas enquanto pensa qual delas poderá ser a mulher misteriosa.



Ele sabe que não pode de maneira nenhuma entrar no modo auror neste momento, Gina o mataria. Mas seu instinto não falha, ele tem certeza que esta mulher misteriosa vai aparecer hoje, Harry só espera que ela deixe escapar alguma coisa que a denuncie.



No entanto neste momento ele se esquece momentaneamente de tudo isso e seu olhar, juntamente com o de várias pessoas, se volta para uma figura austera vestida de preto da cabeça aos pés. Severo Snape está chegando...



XXXXX



Quase ao mesmo tempo



Snape respira fundo enquanto anda pelo jardim dos Malfoy tentando ignorar o barulho infantil e os olhares que ele atrai ao mesmo tempo em que maldiz a sua ideia de vir à festa, no entanto este pensamento vai embora no momento em que ele ouve uma voz conhecida, a voz da sua pequena dama.



- Boa tarde, senhor Snape, que bom que o senhor veio!



- Não poderia recusar um convite tão gentil – o mestre de poções diz com algo que talvez lembre um sorriso, ele lhe estende um embrulho – não sei direito o que uma pequena dama como a senhorita poderia gostar – ele diz prometendo a si mesmo que machucará Harry Potter muito dolorosamente se notar qualquer sinal de decepção no rosto da menina.



Ele vê a pequena abrindo o embrulho com a avidez típica das crianças e neste momento seus olhos se iluminam – poxa senhor Snape, muito obrigada – ela o abraça rapidamente – a minha amiga Samantha tem um desses e eu sempre quis um assim – ela diz olhando mais uma vez o porta-retratos decorado com os mais diversos motivos que, segundo Harry, mudarão de acordo com as fotos colocadas – obrigada mesmo!



- A senhorita merece – Snape diz meio desconcertado com o jeito espontâneo da menina que o segura pela mão – vem comigo, vamos achar meu pai. Ele vai gostar de ver que o senhor veio



E dizendo isso Annie conduz Snape, alheia aos olhares estarrecidos de todos...



XXXXX



Enquanto isso



Draco olha para Blaise que sorri largamente enquanto coloca a sua mão no ombro de Jezz. O loiro só espera que ele não magoe a garota, se isso acontecer Hermione é capaz de matar os dois, a Blaise por ter feito isso e a ele por não ter impedido



- Desculpe a minha intromissão na festa – Jezz fala meio sem jeito – o senhor Zabini me convidou e garantiu que o senhor não se incomodaria. É que eu gostaria mesmo de agradecer por tudo que você fez por mim.



- É claro que eu não me incomodo – Draco sorri. De fato ele nunca se incomodou com as acompanhantes de Blaise. Diferentes todos os anos, por sinal. O loiro espera que quando isso acabar e sempre acaba aliás, isso não deixe um clima estranho na empresa – todos os funcionários são bem vindos – ele diz encarando Blaise – fiquem a vontade – Draco diz enquanto vê, atônito, a figura soturna do seu ex-professor de poções vir em sua direção.



- Aquele é o Snape? – Blaise diz tão atônito quanto o amigo – em uma festa de criança?



- Você não foi enfeitiçado, Blaise – Draco diz. Explicações curtas. Ele pensa – a Annie conheceu o Snape e de alguma forma fez amizade com ele, o convidou e ele veio. Não me pergunte mais porque eu também não sei. Agora acho bom que eu o receba, antes que a Annie acabe com toda a fama do nosso professor.



E dizendo isso, Draco se retira com o pensamento que essa festa vai ser no mínimo interessante...



XXXXX



Pouco depois



Draco está sentado com Snape em um lugar não muito centralizado. Ele conhece o seu professor de poções bem o suficiente para saber que ele não gostaria de ser o centro das atenções. Bem, mais do que ele já está sendo. O loiro tem consciência que a aparição de Severo Snape, digamos, tirou um pouco a atenção que deveria ser da aniversariante.



- Não posso dizer que a sua presença não me surpreendeu – Draco diz buscando deixar Snape um pouco mais a vontade



- Assim como o amável convite da sua filha também me surpreendeu – Snape diz – confesso que fiquei intrigado. Uma criança normalmente não se preocupa em convidar adultos para suas festas.



- A Annie não é uma criança como as outras – Draco sorri – o senhor já deve ter percebido. De alguma forma ela pensou que o senhor deveria ser convidado. Eu sinto muito se ela o constrangeu.



- Devo confessar que a sua pequena sempre me surpreende – Snape diz – de qualquer forma eu quis aproveitar a oportunidade pra ver como o senhor está. Eu deveria ter vindo antes, mas não foi possível.



- Compreendo – Draco diz – eu também deveria ter lhe procurado para agradecer, se o senhor não tivesse ido para Joanesburgo talvez essa história não tivesse terminado bem. Eu nunca poderei agradecê-lo o suficiente



- Vamos dizer que eu fiz o que precisava – Snape fala de modo seco – mas o senhor ficou bem depois de tudo? Eu vi que o senhor não estava bem, espero que tenha se recuperado.



- Eu me recuperei, mas infelizmente não tenho muitas lembranças – ele respira fundo e olha para os lados – eu tive um vislumbre outro dia, mas não sei exatamente o que significa.



- Você chegou a falar com o Potter? – Snape pergunta com a sua feição impassível, mas seu coração neste momento se acelera – o que você lembrou?



- Foi só um vislumbre, talvez não tenha nada a ver – Draco diz – e não, eu ainda não falei com o Potter, eu decidi tentar me lembrar de algo mais, até porque o que eu acho que eu vi não faz sentido.



- Malfoy – Snape o encara com o semblante que usava em suas aulas – você disse que não lembra de nada, então não tem como saber se faz sentido ou não, o que o senhor viu? – ele pergunta usando o seu melhor tom de professor



- Foi muito rápido, eu não posso dizer direito, mas logo que eu voltei pra casa, eu estava no banheiro e quando olhei no espelho eu vi rapidamente um rosto feminino – ele suspira – não faz sentido, por que eu veria um rosto de mulher?



Snape olha para o seu pupilo e respira fundo. Ele poderia agora falar algo sobre o estado em que ele foi encontrado, mas a última coisa que ele quer é estragar a festa da sua pequena dama. Então ele diz – eu penso que o senhor deve procurar o senhor Potter e contar tudo, mas não agora. Hoje é o aniversário da sua menina e nada deve estragar o momento.



- O senhor tem razão, eu acho – Draco diz – eu vou procurar o Potter o mais rápido possível, mas hoje nada deve estragar o aniversário da Annie – ele vê que Hermione vem em sua direção – o senhor me dá licença só um minuto – ele diz sabendo que seu professor vai ficar deslocado sozinho



- Não quero monopolizá-lo – Snape diz – eu vou dar uma volta por aí e fingir que estou interagindo por um tempo. Não pretendo me demorar, eu só vim mesmo para não fazer uma desfeita para a sua filha.



- Ela ficou muito feliz com a sua presença – Draco diz sem medo de parecer falso, ele sabe que isso é verdade.



Snape vê Draco se retirar e também se levanta, não para fingir qualquer tipo de interação, ele quer mesmo é encontrar Harry Potter...



XXXXX



Enquanto isso



Athena Binns anda pela festa enquanto observa seus alunos se divertirem com um sorriso no rosto, ela não costuma ficar muito à vontade em locais assim, mas ver as carinhas felizes das suas crianças lhe causa muita satisfação.



Ela fez a parte social conversando alguns minutos com as crianças e seus pais, dando prioridade é claro para a aniversariante. A professora não admite nem pra ela mesma, mas a loirinha Malfoy é uma das suas alunas preferidas, ver a menina que andava tão tristinha nos últimos tempos brincar e sorrir lhe deixa muito contente



Ela está absorta em seus pensamentos quando sente que bateu em algo fazendo o seu suco de abóbora voar e acertar em cheio alguém



- Desculpe – ela diz chocada com a sua falta de jeito – eu estava distraída, por favor senhor, me deixe dar um jeito nisso.



- Ah, não se preocupe – Blaise sorri. Ele pega a sua varinha e faz um traquejo rápido limpando sua camisa – pronto, problema resolvido – ele lhe estende a mão – Blaise Zabinni, a seu dispor



Athena demora um pouco até notar a mão estendida, ela não pode dizer que tem muito jeito com as pessoas, exceto as crianças – desculpe novamente, senhor Zabinni – ela aperta a sua mão – Athena Binns e antes que pergunte, eu não tenho parentesco algum com o professor Binns, ao menos que eu saiba.



Blaise solta uma gargalhada – pelo jeito você ouve isso constantemente, mas eu não ia perguntar isso.



Athena olha para ele com ar incrédulo – talvez apenas porque o senhor é educado demais para perguntar isso pra alguém que mal conhece, mas eu apostaria a minha varinha como foi isso que pensou.



- Não precisa ser legitimente pra ganhar essa aposta, senhorita Binns. Agora se me der licença eu estou procurando a minha acompanhante. Ah, ela está ali – Blaise aponta para uma direção e se despede da jovem sem notar que neste exato momento Athena empalidece...





NOTA DA AUTORA



Capítulo postadinho como manda o figurino. Eu pensei no início em fazer a festa toda em um só capítulo, mas como muita coisa vai acontecer eu resolvi dividir. Espero que tenham gostado e quem puder deixar uma palavrinha vai me fazer muito feliz. Tive problemas com o site nos últimos dias, mas agora acho que já está resolvido.



Bjos e até o próximo


Compartilhe!

anúncio

Comentários (0)

Não há comentários. Seja o primeiro!
Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.