Ajuda mútua



Na mansão Malfoy


Draco acabou de chegar. Ele não vem passando muito tempo cuidando de seus negócios ultimamente. O loiro sabe que não pode simplesmente abandonar tudo, mas ele tem outras prioridades. Dentro de alguns meses seu filho irá chegar e ele quer passar o maior tempo possível com seu garoto


É estranho, mas ele não consegue pensar na criança como uma menina. O loiro sabe que irá amar seu filho independente do sexo, mas algo lhe diz que será um garoto, talvez seja intuição de pai


É melhor não pensar muito nisso, Draco sabe que se ele soltar algo desta natureza novamente para Hermione isso causará uma briga


Falando em Hermione, ele vê a sua figura surgir timidamente em sua lareira. Evidentemente o loiro pensa que aconteceu alguma coisa, já que nunca a morena lhe procurou por vontade própria e é por isso que ele assente rapidamente quando ela pergunta se pode sair


- Está tudo bem? – Draco se vê perguntando mais rápido do que pretendia – aconteceu alguma coisa?


- Não, está tudo bem – Hermione responde sem deixar de perceber que ele não se referiu apenas ao bebê, ela olha para o loiro, meio constrangida; na verdade não há nenhum motivo para que ela tenha vindo, a não ser a cisma que seu amigo Alex lhe plantou. Ela nota que Draco a encara com curiosidade - desculpa vir sem avisar – ela fala, desconcertada – mas eu não tinha muito que fazer e precisava me distrair um pouco, então achei que pudesse ver como anda o quarto que você está fazendo, se você não estiver fazendo nada, é claro


Draco abre um sorriso, mesmo achando isso meio estranho. Afinal, é a primeira vez que Hermione aparece em sua casa de surpresa


Ela vê que o loiro permanece em silêncio – desculpe ter vindo assim – ela fala desconcertada – se não for uma boa hora, eu volto outro dia


- Imagine – Draco diz ao ver que ela se prepara para voltar à lareira – eu não estou ocupado. Eu só fiquei surpreso, você não precisa avisar, pode vir sempre que quiser


- Obrigada – Hermione diz com um suspiro de alívio – eu realmente não estava disposta a ficar sozinha em casa hoje – ela diz e completa depois de pensar por um minuto – eu também queria me desculpar – ela vê que o loiro a fita com curiosidade – a Gina me contou que te procurou


- Ah, isso – Draco diz – confesso que fiquei surpreso e, não tenho vergonha de dizer, um pouco temeroso. Aquela ruiva pode ser bem assustadora quando quer! A impressão que fiquei é que a qualquer momento poderia receber uma azaração


Hermione de início pensa e defender a sua amiga, mas ela não diz nada pois é obrigada a concordar que Gina pode ser realmente assustadora quando defende alguém, então ela diz – ela se preocupa comigo e vamos ser sinceros, você não é exatamente alguém com quem qualquer um dos meus amigos gostaria que eu me envolvesse


Draco não diz nada, mas seu semblante mostra que ele ficou chateado. Ele sabe que isto é verdade, então por que as palavras vindas de Hermione o fizeram sentir tão mal?


Hermione olha para Draco e percebe que ele ficou chateado, o que faz com que a morena se arrependa das suas palavras. Mas o que ela pode fazer se esta é a verdade? Realmente ele não seria a pessoa com que qualquer um de seus amigos gostaria que ela se envolvesse, mas por que ela se sente tão mal ao ver que Draco ficou chateado?


- Acho melhor eu ir – Hermione fala meio sem jeito – eu não devia ter vindo assim


- Não! – Draco diz mais alto que gostaria, ele pega a mão de Hermione sem ao menos se dar conta do que está fazendo – venha ver como está ficando. Modéstia a parte eu tenho feito um bom trabalho e não posso dizer que tenho muitas pessoas a quem me gabar – ele sorri – quer dizer tem os elfos, mas não é como se eles fossem dar uma opinião sincera sobre isso


- Você poderia ordenar que fizessem isso – Hermione, racional como sempre, diz


- É, eu poderia – Draco concorda depois de pensar por um momento – mas eles enfiariam as mãos no forno se falassem algo que me desagradasse


- Você deve ter razão – Hermione diz imaginando a cena com uma careta – não queremos que os pobres elfos sofram por ser sinceros, não é mesmo?


- Ora, o quarto está ficando bem legal! – Draco diz satisfeito por estarem tendo uma conversa amena – a gente pode até mesmo chamar algum elfo para confirmar se você quiser


- Deixa eu dar uma olhada primeiro – Hermione sorri – aí eu digo se podemos fazer algum de seus elfos correr o risco


- Pois bem – Draco diz. Ele pensa por um momento e completa – feche os olhos – ele sorri ao ver a expressão da mãe do seu filho – ora, não seja estraga prazeres, eu quero fazer uma surpresa. Feche os olhos, o que custa?


- Tudo bem – Hermione suspira meio abismada por ver esta faceta do arrogante Draco Malfoy – eu vou fechar os olhos, mas nada de gracinhas


- Não vale olhar – Draco diz enquanto a guia pela mão – cuidado com a escada


- Malfoy, se você me fizer levar um tombo nestas escadas eu vou te azarar tão feio que você só vai conseguir ter filhos da forma como este foi feito! – ela diz enquanto sobe com o máximo cuidado


- Sem azarações, ok. Duas ameaças no mesmo dia é demais pra um pobre homem, meu filho não pode ficar sem pai – ele retruca enquanto continua guiando Hermione com todo cuidado – eu não vou deixar você cair, mulher de pouca fé


Então ele para de guiar e Hermione sente seus pés saírem do chão, não demora a perceber que ela está no colo de Draco Malfoy


Draco! – ela fala sem perceber que o chamou pelo primeiro nome – você enlouqueceu! Eu vou cair


Assim vai ser mais rápido – Draco diz sem se abalar – e, por favor, pare de se mexer. Se você não ficar quieta aí sim corre o risco de que eu deixe você cair, e continue de olhos fechados


As palavras de Draco fazem o efeito desejado e Hermione se aquieta enquanto Draco continua subindo as escadas com Hermione nos braços


A morena sente quando ela a coloca delicadamente no chão, ela ouve o barulho de uma porta se abrindo. Seu coração acelera quando Draco a conduz para dentro e diz – pronto, pode abrir


Hermione abre os olhos lentamente e seu queixo cai ao ver o quarto a sua frente. As paredes estão pintadas em amarelo suave, com algumas faixas brancas onde se pode perceber pequenos unicórnios, uma janela cercada por cortinas brancas torna o quarto arejado e claro como ela sempre imaginou um quarto de criança, sem falar no teto que foi enfeitiçado para parecer o céu. Ainda não há moveis exceto uma estante onde pode se ver alguns brinquedos. Está claro que se depender do pai esta criança vai ser muito mimada


- Ainda não terminei – Draco diz parecendo ansioso – mas já parece um quarto de criança, pelo menos eu acho


- Está lindo – Hermione diz secando uma lágrima que cai em sua face – exatamente como eu imaginaria o quarto do meu filho


- Eu preferi usar uma cor neutra – Draco sorri quando Hermione assente com a cabeça – e nada das cores da sonserina, conforme combinamos. Acho que é a primeira vez em anos que uma criança que usa este quarto não usa as cores da sonserina


Hermione sorri. Ela sabe que isto é algo muito importante em se tratando da família Malfoy, então ela sussurra – obrigada, vou manter o trato. Nada de cores da grifinoria na minha casa também – ela para um momento como se estivesse pensando – se bem que eu duvido que consiga fazer um trabalho tão bom


- Essa parte não é difícil – Draco argumenta – mas confesso que estou tendo dificuldade quanto aos móveis. Da última vez que rondei uma loja de móveis infantis a vendedora ficou olhando pra mim como se eu fosse algo do outro mundo, sem falar que eu tenho quase certeza que ela me reconheceu. Talvez eu peça pra fazer sob medida, mas não tenho muita noção disso


- Pois pra mim esta parte é a mais simples – Hermione diz – eu já tenho o tipo de móveis que eu quero na minha cabeça desde que soube do pequeno aqui – ela acaricia a barriga – por outro lado o quarto em si às vezes tira o meu sono, já pensei em pegar umas dicas com algum decorador, mas ele vai achar estranho se eu falar em unicórnios ou pomos de ouro


Draco fica pensativo por um momento, como se estivesse tentando adivinhar o que diabos seja um decorador. Então ele diz, meio receoso – eu tenho uma proposta, e se você cuidasse dos meus móveis e eu te ajudasse com a pintura e o teto?


Hermione fica calada por um momento o que faz co que o loiro complete meio sem jeito – esquece, foi só uma idéia. É que eu não tenho muito jeito com os móveis e já que você não está conseguindo lidar com a pintura, eu achei que poderíamos nos ajudar. Foi uma idéia idiota, desculpe


- Não, eu acho excelente – Hermione sorri – só não sei se vou conseguir fazer um trabalho tão bom com os móveis como o que você fez com a pintura


- A sabe tudo está dizendo que não é boa em alguma coisa? – Draco não resiste em provocá-la – isso deveria ir para a primeira página do profeta diário


- Ora, cale a boca! – ela diz, amuada – se não se comportar, eu retiro os elogios e me viro pra arrumar o quarto sozinha


- Ô mulher sem senso de humor – ele retruca – então estamos combinados? – ele diz enquanto lhe estende a mão


- Combinado! – Hermione aperta a mão do loiro após vacilar por um momento


XXXXX


Os dias passam e o arranjo entre Draco e Hermione funciona melhor do que ambos esperariam. O loiro já começou a pintar o quarto da casa de Hermione ao passo que os dois saem de vez em quando à procura de mobília para o quarto da mansão Malfoy e, embora haja divergência de opiniões de vez em quando, a convivência entre o sonserino e a grifinoria se dá de forma mais pacifica que qualquer um acharia possível


Eles estão em uma lanchonete trouxa após uma maratona de compras. O local foi escolhido pensado na privacidade e segurança de ambos, afinal o concurso para descobrir o casal mais inusitado dos últimos tempos ainda está sob os holofotes então todo cuidado é pouco. E Draco fica estranhamente satisfeito em ver que eles são apenas mais um casal tomando um lanche, esta sensação é muito boa pra ele, o loiro não pode deixar de admitir


- Aconteceu alguma coisa? – Hermione diz ao ver que o loiro está calado – você não gostou de alguma das coisas que escolhi? Pode dizer, o quarto vai ser na sua casa, lembra? Você dá a palavra final


O loiro olha pra ela e demora um instante pra perceber o que Hermione está falando – não, não é isso – ele procura algo mais ameno pra dizer – é que de repente me dei conta que o Junior – ele sorri ao ver a careta dela – ainda não tem um nome só dele, acho bom a gente pensar nisso


Hermione suspira. Ela também já se deu conta que o tempo está passando, mas por mais idéias que tenha ainda não surgiu o nome perfeito, ao menos a seu ver – eu sei – ela diz – mas isso parece mais difícil do que eu imaginava, eu fico imaginando nomes e tentando visualizar a carinha dele e sempre parece que ele não gosta


Draco não resiste a uma gargalhada ao imaginar a careta do seu filho ao não gostar dos nomes – espero que você não tenha sugerido algo como Ramsés ou Ptolomeu


- Claro que não! – ela dá um soco de leve no ombro do loiro – eu não seria louca em fazer isso com esta criança, eu quero que ele ou ela tenha um nome do qual se orgulhe, algo que tenha um significado – ela baixa os olhos – algo que eu e você gostemos


- Obrigado por me incluir – Draco diz com sinceridade


Hermione suspira – estamos juntos nessa, querendo ou não, não é mesmo?


- Exatamente, senhorita Granger – ele sorri – estamos juntos nessa


- Vamos agora? – Hermione diz – acho que já andamos demais para um único dia – ela faz uma ligeira careta – meus pés estão inchados


Draco olha pra ela por um momento – você devia me avisar que estava cansada – ele diz parecendo culpado


- Não seja dramático, Draco – ela responde meio incomodada com a preocupação – eu estou grávida. Pés de mulheres grávidas incham, isso é fato


- Que seja – ele diz depois de pensar um momento – mas você vai pra casa e vai colocar estas pernas pra cima – ele fica pensativo – será que existe uma poção pra isso? Eu posso providenciar...


- Draco! – ela diz mais alto que gostaria – são só pés inchados, não é como se eu estivesse a beira da morte ou coisa parecida, vai melhorar assim que eu descansar um pouco


- Então vamos pra casa – ele diz pegando as sacolas – eu vou me certificar que você vai descansar


Hermione pensa em argumentar ou até mesmo começar uma briga, mas a morena já conhece o pai do seu filho muito bem pra saber que esta seria uma batalha perdida. Então ela apenas suspira e aceita relutantemente o braço que Draco lhe oferece


Eles já caminharam alguns metros quando ouvem uma voz chamando e logo depois uma garota toca levemente o ombro de Draco


- A sua esposa deixou cair o cachecol – ela diz estendendo a peça – está frio lá fora


Hermione olha estupefata para a jovem e antes que tenha tempo de desfazer o engano ela ouve o loiro dizer


- Muito obrigado, realmente está frio lá fora


Ele pega o cachecol e coloca no pescoço dela como um marido carinhoso faria e a morena não deixa de perceber que ele não se preocupou em desfazer o engano


A mão de Draco em seu ombro faz com que ela não pense em mais nada enquanto ambos se dirigem a saída para aparatar longe das vistas dos trouxas




NOTA DA AUTORA


Nem tenho palavras pra explicar a minha demora, até porque ela está sendo mais frequente do que eu gostaria. A única coisa que posso dizer é que tenho feito o possível pra postar sempre e que mesmo demorando estou sempre por aqui.


Espero que tenham gostado e como a minha cara de pau é bem grande, me atrevo a pedir uma palavrinha de incentivo.


Bjos e até o próximo

Compartilhe!

anúncio

Comentários (4)

  • Andrômeda Snape

     Leitora nova aqui o/  fic maravilhosa, não canso de ler!! Você escreve muito bem! Estou louca para o próximo capítulo! 

    2016-05-28
  • Renata Di-Lua Lovegood

    Adoro esta FIC. Não importa o quanto demore.

    2016-05-16
  • Camila Krum Malfoy

    Q legal q vc voltou! Eu estou acompanhando a fic sempre, msm sem comentar... Não desiste, quero ver a cara do Harry e do Rony quando descobrirem kskskskskBjs 

    2016-05-14
  • Roberta Santos

    Poxa or mais que você demore a postar, os capítulos são maravilhosos a cada postagem é um melhor que o outro!!! Parabéns, bjs ;*

    2016-05-12
Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.