Dupla insônia



Na casa de Rony



Pandora chega. Ela se cansou de ficar em casa e decidiu dar uma volta, o que na verdade não adiantou muito. Durante todo tempo seu ruivo não saiu da sua cabeça, todo lugar por onde ela passou fazia com que ela se lembrasse dele de uma forma ou de outra.



A espanhola se recorda perfeitamente do dia em que ele lhe mostrou a cidade e de cada lugar onde foram. Ela estava tão feliz e apaixonada, foi como ter um sonho realizado. Pandora não se importou de deixar toda a sua vida na Espanha, sua família, seus amigos, seu emprego. Ela iria para qualquer lugar que ele lhe pedisse, não havia muita coisa entre o céu e o inferno que ela não seria capaz de fazer pelo seu ruivo.



Pandora sabe que foi uma atitude fútil se preocupar com aquele maldito concurso, mas Rony precisa entender que ela passa o dia todo sozinha. O seu relacionamento com a família do marido não é ruim, mas por algum motivo ela ainda não conseguiu criar nenhum laço mais profundo. Então quando o concurso surgiu, ela se agarrou a ele como uma forma de passar o tempo e também de manter as suas habilidades dedutivas aguçadas. Pode parecer uma besteira, mas para ela isso se tornou importante. Sim, Pandora é uma mulher competitiva.



Então ela vê uma luz acesa em seu quarto – mi vida – ela murmura com o coração descompassado – usted voltou? – ela diz enquanto entra no aposento e para seu horror, ela encontra seu ruivo com um frasco na mão...



XXXXX



Na casa de Draco



Hermione olha para o quarto suntuoso que Draco lhe indicou, ao lado do dele e do quarto reservado ao bebê. A morena ficou aliviada e decepcionada ao mesmo tempo pelo fato do loiro não ter sugerido que eles compartilhassem o mesmo quarto. Aliviada porque ela acha que não seria adequado, e decepcionada porque no fundo era isso que ela queria.



Ela não consegue dormir, um pouco por causa do lugar, mas em sua maioria pelo que aconteceu. Hermione não quer nem pensar no que teria acontecido se não houvesse sido um alarme falso. E se ela não tivesse conseguido chegar à lareira? Hermione sente seu coração falhar uma batida só em pensar em entrar em trabalho de parto sozinha.



Ela sabe que foi irresponsável. Seu senso de independência faz com que seja muito difícil pra ela pedir ajuda e neste momento ela se vê pensando que isso poderia prejudicar o seu bebê e se isso acontecesse, ela não se perdoaria.



A morena resolve sair pra tomar um pouco de ar. Hermione sabe que não conseguirá dormir tão cedo...



XXXXX



Ao mesmo tempo em outro local da casa



Draco não consegue dormir. Ele poderia se dar vários motivos para isso, mas ele sabe que isso se deve ao fato de Hermione estar no quarto ao lado e não no seu quarto como ele desejava.



O loiro sabe que deve ir devagar. Não é o momento de focar as suas investidas agora, ele precisa focar no bebê e não em conquistar a mãe do seu filho.



Sim, Draco admite que quer muito conquistá-la, o seu plano de se casar com Hermione ainda está de pé, mas não porque isso seria o mais certo a fazer, não porque uma criança precisa do pai e da mãe a seu lado. Na verdade o loiro precisa admitir para si mesmo ele gostaria de se casar com Hermione porque ela é uma mulher encantadora, divertida e, diabos, ele está mesmo gostando dela!



O loiro se revira na cama por algum tempo. Draco sabe que não vai dormir tão cedo, então ele resolve sair um pouco, talvez uma dose de firewishy e um pouco de ar o ajudem a pegar no sono...



XXXXX



Na casa de Rony Weasley



Rony olha para a esposa que está visivelmente assustada, a sua boca se abre e fecha como se ela estivesse tentando achar alguma coisa para dizer. No entanto a seu ver não há muito a dizer, contra fatos não há argumentos.



- Mi vida... – a espanhola finalmente balbucia – eu posso explicar...



O ruivo olha para a esposa e respira fundo para se controlar. Ele não quer explodir agora, não antes de saber tudo. – por que, Pandora? – ele diz – uma poção do amor? E não tente me dizer que não é, eu conheço isso muito bem!



Ele olha para a esposa que permanece calada - por que, Pandora? Por que você fez isso? – ele pergunta novamente – por que você usou isso em mim? Tudo que vivemos é uma mentira?



- Não – Pandora fala a beira das lágrimas – não é uma mentira! – ela baixa os olhos – eu te amo, isso nunca vai ser uma mentira.



- Então você nega que isso é uma poção do amor? Você nega que fez uso dela? Olha pra mim, Pandora! – Rony diz alterando o tom de voz – olha nos meus olhos e negue!



A espanhola baixa os olhos e sussurra – não, eu não nego. Eu fiz isso... Eu fiz isso porque eu me apaixonei por você no momento em que te vi. Eu não suportaria ver você partir...



Rony olha para a esposa. Ele não consegue acreditar, o ruivo segura um frasco de poção do amor, mas mesmo assim parece algo tão irreal. Apesar que, pensando racionalmente, não é totalmente absurdo, afinal o que mais o levaria a pedir uma quase desconhecida em casamento depois de apenas uma semana? - Eu deveria saber... - Ele fala mais para si próprio.



- Mi vida – a espanhola sussurra – eu não nego, eu usei a poção do amor – ela respira fundo enquanto enxuga uma lágrima – quando eu te vi pela primeira vez, eu soube que eu seria sua pra sempre. Parece coisa de criança esse tipo de pensamento, eu sei. E eu mesmo nunca havia acreditado nisso, mas quando eu te vi foi o que eu senti.



Ela olha para o marido que está calado, então Pandora continua:



- Eu vi que você se sentia atraído por mim, estava nos seus olhos e eu sabia que você não se negaria a um caso de alguns dias. Você é um cara e eu sei que sou atraente, mas à medida que os dias passavam, eu sabia que você ia embora e eu não podia deixar, eu não conseguiria. Então eu tive a ideia maluca de te dar uma poção do amor, eu queria ter mais tempo com você e quando você pediu para se casar comigo, eu não resisti...



-Rony está cada vez mais chocado. Ele quer brigar com a esposa, quer dizer que ela é uma louca, mas a sua voz não sai. Então ele apenas olha pra ela. Pandora continua:



- Eu sabia que o efeito ia passar e que você provavelmente se arrependeria, mas eu estava fora de mim, se você me deixasse eu não suportaria, então comecei a misturar a poção na sua comida. No início eu fazia isso sempre, mas depois que viemos pra cá, eu fui diminuindo e eu juro já fazia alguns meses que eu não colocava nada.



- E você espera mesmo que eu acredite nisso? – o ruivo diz gelidamente – você acha mesmo que eu vou acreditar em uma pessoa que usou uma poção do amor para se casar?



- Eu juro! – ela diz com a voz tremulante, as lágrimas descem copiosamente – eu faço qualquer coisa para você acreditar, eu tomo veritasserum se você quiser, eu juro – ela faz uma pausa para que os soluços parem – eu te amo, mas só isso não basta. Eu não queria você por causa de uma poção, então eu achei que com o tempo você poderia me amar...



- Não é assim que as coisas funcionam – o ruivo diz – a gente não pode simplesmente fazer com que as pessoas amem, não funciona assim.



- Por que? – Pandora agora o encara – você acha que duas pessoas juntas, convivendo, não podem aprender a amar? Você acha que o amor não pode nascer desse jeito? Eu sei que tenho muitos defeitos e o fato de fazer as coisas do meu jeito sem me importar com as consequências é um deles, talvez o maior. Mas diga sinceramente, nosso casamento era ruim?



- Não era ruim – Rony suspira – mas era uma mentira e uma mentira nunca é algo bom.



E dizendo isso o ruivo sai sem olhar para trás...



XXXXX



Na casa de Draco Malfoy



Hermione ouve um barulho e se vira sobressaltada



- Desculpe, assustei você? – Draco diz – eu não conseguia dormir e decidir vir beber alguma coisa.



- Não se desculpe, é a sua casa, lembra? – Hermione sorri – eu é que peço desculpas, estava procurando algo pra ler e depois ia à cozinha pegar um chá. Espero que não se importe.



- Eu quero que você se sinta a vontade aqui – Draco diz – o que você precisar pode pedir. Eu sei que você não está confortável, mas eu quero que você aja como se estivesse em sua própria casa.



- Eu vou tentar – Hermione sorri – talvez demore um pouco, estou acostumada a dormir em minha própria cama.



- Mas você já dormiu aqui antes – o loiro diz e se arrepende na mesma hora. As poucas vezes que Hermione dormiu em sua casa eles partilharam a cama. Ele vê que a morena ruboriza na mesma hora, então decide mudar de assunto – como estão seus pés? – ele pergunta olhando para baixo.



- Inchados como sempre – Hermione diz com um suspiro – mas isso é normal, assim como as dores nas costas, a vontade de ir ao banheiro a cada cinco minutos e ao que parece, as contrações falsas também.



- Você se arrepende? – o loiro pergunta em um impulso – não do bebê, mas da forma como isso aconteceu. Se você soubesse que iria se meter nessa confusão comigo antes de tudo ter acontecido, você mudaria alguma coisa? Tipo procurar outra clínica ou ter seu filho da maneira normal?



Hermione olha para o loiro. Ela não esperava esse tipo de pergunta. Mas diabos, o que em sua vida teve o resultado esperado nos últimos meses? Então ela diz apenas – não Draco, eu não mudaria...



Draco segura então seu rosto e a beija suavemente – eu também não – ele diz – mesmo com toda loucura que nós estamos passando, eu não mudaria nada. Está tão perto agora – o loiro a encara – isso não te apavora de vez em quando?



- Na verdade apavora o tempo todo – Hermione sorri – mas é um pavor do tipo bom.



- Vamos – Draco se levanta e estende a mão.



- Pra onde? – a morena pergunta curiosa.



- Para o seu quarto. Eu vou fazer uma massagem nos seus pés, você vai relaxar e vai ficar mais fácil para dormir – ele responde com a mão ainda estendida.



Hermione pega a mão do loiro. Pode ser que uma massagem nos pés seja o que ela precisa...



XXXXX



Na casa de Harry Potter



Rony está sozinho no quarto que ocupa. Ele não quis falar com ninguém e seu amigo e sua irmã respeitaram a sua vontade. O ruivo precisa de tempo para processar a conversa que teve com a sua esposa.



Ele estava esperando uma conversa difícil com alguns gritos e objetos atirados ou até mesmo alguma explosão involuntária. Mas nunca em toda a sua existência o ruivo pensou que iria descobrir algo dessa natureza e isso o magoa muito. Tudo que eu vivi com ela foi uma mentira... Ele pensa e isso dói mais do que ele imaginava.



Rony se pega pensando nos momentos que viveu com a esposa. Será que tudo foi por causa da poção? Ela disse que havia parado de usar, mas não sei se posso dar crédito. Foram mentiras demais...



Sem pensar, ele pega um objeto e joga. O barulho estridente faz com que ele se lembre que não está em sua própria casa e certamente alguém virá para saber o que aconteceu. O ruivo se prepara para explicações que não gostaria de dar no momento. Mas ele precisa, Rony sabe que se não arrumar um jeito de desabafar, vai acabar enlouquecendo...



XXXXX



Na casa de Draco Malfoy



O loiro observa Hermione que dorme tranquilamente, de vez em quando ela suspira e sorri como se estivesse sonhando com algo bom. Ele fala para si mesmo que deveria se recolher, mas Draco sabe que não conseguiria dormir agora, não com Hermione tão perto.



Ele passa a mão nos cabelos cacheados, Hermione se mexe ligeiramente, o loiro tira a mão rapidamente e se prepara para sair.



- Aonde você vai? – ela diz mais dormindo do que acordada



- Vou deixar você dormir – Draco diz desconcertado.



- Não... fica... – ela murmura – estava tão bom... Faz tanto tempo que eu não ganho um cafuné...



- Você tem certeza? – o loiro pergunta meio sem jeito, a última coisa que ele quer é que Hermione diga alguma coisa sonolenta e não se lembre depois.



Ela balbucia algo que ele entende como um sim enquanto se aconchega no seu peito. Imagino que ela não ligue se eu ficar um pouco mais a vontade. Ele fala para si mesmo enquanto tira os sapatos e se acomoda melhor na cama, sem parar de acariciá-la. O loiro sabe que se ficar assim amanhã terá uma dor imensa nas costas. Mas neste momento ele não se importa, não quando tem Hermione nos braços.



O loiro fica algum tempo acariciando os cabelos da mãe do seu filho até que Hermione esteja completamente adormecida. Draco sabe que este é o momento em que ele deveria ser um cavalheiro e se dirigir ao seu quarto. No entanto a última coisa que ele quer é deixar Hermione agora, o loiro sabe que não conseguirá dormir. Então ele se ajeita melhor no leito e continua exatamente onde está, com Hermione nos braços. Ela me pediu para ficar... É o seu último pensamento antes de pegar no sono...



XXXXX



No dia seguinte



Hermione acorda e vê assustada que o loiro se encontra a seu lado, ela se lembra de ter pedido para que ele ficasse mais um pouco, mas ela nunca poderia imaginar que ele passaria a noite a seu lado.



Não que isso a faça se sentir desconfortável. Pelo contrário, a morena tem que admitir que dormir nos braços de Draco a deixa bem à vontade. Depois que ele foi para junto dela a insônia que sentia antes passou e ela pode dizer que dormiu muito bem. O mesmo ela não pode dizer de Draco que se encontra em uma posição não muito confortável.



Ela vê que neste momento Draco acorda com uma careta – as suas costas devem estar te matando – ela diz suavemente – você podia ter ido pra sua cama.



- É, eu podia – Draco diz enquanto se espreguiça – mas você pediu que eu ficasse, e depois não posso dizer que foi uma noite ruim, eu dormi como uma pedra – ele faz uma careta – bem, talvez as minhas costas não concordem, mas a minha mente sim.



- Vamos tomar café – o loiro diz enquanto desamarrota suas roupas com um movimento rápido de varinha – você quer fazer alguma coisa especial hoje?



- Você não tem que trabalhar? – Hermione pergunta curiosa. Pelo que ela conhece do loiro, Draco é tão dedicado ao trabalho quanto ela.



- Bem... – ele parece meio sem jeito – o Blaise vai tomar conta das coisas por uns tempos, eu só vou monitorar através da lareira e das corujas – ele sorri – um dos benefícios de ser o patrão. Depois do susto que tivemos, eu pensei bem e decidi que não me perdoaria se perdesse o grande evento. E depois você ficaria aqui sozinha com os elfos, eu sei que você se entediaria, então...



Hermione olha para o loiro e seus olhos se enchem de lágrimas – é muito doce você fazer isso por mim, Draco... – ela enxuga uma lágrima com as costas da mão – obrigada...



- Vamos ver se você me agradece depois de uma semana ou duas – ele sorri ironicamente – eu posso ser bem difícil de conviver.



- Somos dois então – ela sorri ao mesmo tempo em que seu estômago ronca ruidosamente – acho que seu filho está com fome – ela diz meio sem jeito



- E o pai dele também – Draco diz pegando a sua mão – vamos tomar café...





Vamos lá... Capítulo postadinho e a autora morrendo de orgulho por conseguir manter um ritmo regular. Espero que tenham gostado. Muita gente já tinha uma ideia do que era o frasco que o Rony achou, e aí, acertaram?



Obrigado a todo mundo que me acompanha e espero que deixem uma palavrinha de incentivo.



Bjs e até o próximo


Compartilhe!

anúncio

Comentários (1)

  • Renata Alvarenga

    Adorei o capítulo e estou amando ainda mais que você está conseguindo manter um frequencia nas postagens, minha curiosidade agradece rsrs

    2020-07-13
Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.