Enfrentando dragões



Olá!



Pelo que observei na minha bola de cristal, essa história vai ficar cada vez mais emocionante. Eu, pelo menos, amei escrever esse capítulo.



Beijins :*





 



Para ouvir antes, durante ou depois da leitura do capítulo:



Maps



(Maroon 5)



http://bit.ly/2b3ac9W



 



 



 



“Ser profundamente amado por alguém nos dá força; amar alguém profundamente nos dá coragem”.



(Lao-Tsé)



 



 



 



 



Depois de quase um mês na Austrália, Hermione estava exausta. A viagem havia sido emocionalmente muito desgastante. Reverter o feitiço de memória fora mais difícil que lançá-lo, há dez meses, quando se preparava para a missão em busca das horcruxes.



Dessa vez precisara implantar algumas falsas lembranças em seus pais. Tudo para que os dois não desconfiassem que ficaram tanto tempo com identidades falsas e sem uma filha. Não se tratava de mentir. Eles simplesmente não suportariam aquela dura realidade. Esses feitiços, no entanto, eram muito complexos para uma bruxa de 18 anos que sequer havia completado a sua formação na escola de magia.



Até encontrar os pais, pensara muito em Ron. Sentia grande falta dele e se emocionava ao lembrar-se do último encontro com o ruivo, do beijo apaixonado e da promessa de que conversariam muito quando voltasse da Austrália. Mas algo tinha mudado. Estava um pouco triste, desanimada e o pior é que perdera o anel com o qual o bruxo a presenteara, o anel que simbolizava o amor que tinham um pelo outro. Não fazia a menor ideia de como aquilo havia acontecido.



De volta a Londres, experimentava um forte abatimento, parecia que grande parte de sua energia havia se esvaído. Ao mesmo tempo estava confusa quanto ao sentimento que tinha por Ron. Ainda assim, escreveu um curto bilhete ao rapaz, que enviou pela coruja:



 



Querido Ron,



Retornei hoje da Austrália. Não posso sair de casa. Meus pais ainda estão muito desorientados. Preciso ficar com eles.



Quando tudo estiver mais tranquilo, irei até A Toca.



Beijos,



Mione



 



Imaginou que logo receberia um bilhete de volta. Mas Ron a surpreendeu. Menos de uma hora depois de ter enviado a coruja, a mãe de Hermione bateu à porta do quarto e interrompeu a leitura da garota.



— Filha, aquele seu amigo ruivo está lá embaixo e quer falar com você. Parece ser algo muito importante porque ele disse que, caso estivesse descansando, ficaria esperando lá até você acordar - a mãe anunciou.



Hermione trocou rapidamente de roupa, colocando um vestido de estampa floral, e ajeitou os cabelos. O coração batia rápido. Tinha expectativa e medo.



Quando desceu o último degrau, Ron já a abraçava com força. Ficou confusa. Ainda não estava acostumada a essas manifestações de afeto do ruivo. Não conseguiu evitar que as faces ficassem vermelhas.



— Você recebeu meu bilhete? - foi tudo que ela conseguiu dizer sentindo-se ainda mais desconfortável com o sorriso e olhar ansiosos do rapaz.



— Claro! Eu achei que você me escreveria ainda da Austrália, para avisar quando vinha. Mas tudo bem. O importante é que você está aqui - Hermione não pôde deixar de perceber que havia certa tensão no ar.



A menina convidou Ron a sentar. Logo percebeu que a pedra do anel que ele usava estava mais escura, com aquele azul do mar que anunciava tempestade. Sentiu uma pontada de dor ao lembrar que havia perdido o anel que o ruivo lhe dera.



— Tem alguma coisa errada... Há duas semanas a pedra do meu anel escureceu e... Por que você não está usando o seu anel? - o jovem bruxo questionou com um ar de tristeza.



— Ron, esses dias na Austrália foram tão confusos... Andei por muitos lugares. Não sei como aconteceu, mas o anel desapareceu do meu dedo. Eu não tirava o anel nem para dormir, não sei como foi isso... Fiquei muito triste - ela contou logo a verdade.



Ainda constrangida, Hermione explicou rapidamente a situação dos pais, que ainda estavam confusos depois do longo período vivido com a memória alterada. Disse que talvez aquele não fosse o melhor momento para uma conversa.



— Mione, eu já esperei demais. Deixa eu dizer o que preciso dizer. Fiquei este mês todo ensaiando - Ron falou de modo descontraído, embora as orelhas vermelhas denunciassem que não estava sendo fácil.



A menina balançou a cabeça concordando. Sentia um forte aperto no coração. Tinha a sensação que ela e Ron estavam a quilômetros de distância e, mesmo que quisessem, não podiam se tocar. Tentou espantar aquelas sensações concentrando-se nas palavras do rapaz, mas não era fácil.



— Eu sempre gostei de você. Quer dizer, quase sempre porque, no primeiro ano de Hogwarts, não era bem assim. Depois disso... Sempre gostei, mas muitas vezes odiei você. Sei lá, a gente pensava muito diferente. Tudo foi mudando com o tempo. Acho que você sabe o que quero dizer. Eu já não conseguia ver mais você apenas como amiga... Só não tinha coragem de dizer por achar que não se interessava assim por mim. Mas depois daquele beijo na Sala Precisa... - Ron não conseguiu evitar um sorriso e suas orelhas ficaram escarlates. - Eu lembro todos os dias daquele beijo!



— Ron, por favor, você está me deixando envergonhada... - Hermione havia enrubescido.



— Também para mim não é fácil falar sobre isso. Mas devo falar porque eu acho que nós dois, a gente precisa... Enfim, você aceita, Mione? - perguntou com leve ansiedade.



— Aceita?! Aceitar o quê? Você não me ofereceu coisa alguma - ela divertiu-se ao ver o constrangimento de Ron.



O rapaz deu uma risada. Provavelmente de nervoso. "Você entendeu, não"?, ele perguntou olhando-a com leve espanto.



— Não, não entendi. Custa tanto assim você dizer, com todas as letras, o que afinal quer que eu aceite? - Hermione o desafiou.



— Você faz questão? - Ron ainda tentou sair pela tangente, mas, ao vê-la cruzar os braços e o olhar severa, entendeu que precisava falar. - Bem, eu... Quero que aceite ser a minha namorada. Você aceita?



Ela sorriu. Um sorriso iluminado. E Ron também sorriu, feliz. Provavelmente, tinha certeza que Hermione aceitaria. Mas a resposta dela foi inesperada: "Ainda não. Me dê uns dias. Preciso pensar".



O sorriso dele se desfez. A expressão era de perplexidade. "Como assim? Ainda quer mais tempo para pensar? Não esperava por isso? Você não gosta de mim?", as perguntas eram muitos e vinham uma atrás da outra.



— Calma. Não é nada disso. Claro que eu gosto de você. Na verdade, eu te amo. Mas não sei se daria certo. E se a gente brigar, não vou perder apenas um namorado. Vou perder o meu melhor amigo - a garota tentou explicar, embora a principal razão para não conseguir dizer sim era aquela angústia inexplicável que experimentava.



— Três dias. Pode ser? Três longos dias para você pensar. E a gente volta a se falar - ele propôs agora mais animado com a declaração de amor da bruxa.



— Tudo bem. Mas me responde uma coisa? Você disse tudo que ensaiou me dizer durante um mês? - ela voltou a provocar o ruivo.



— Não. Eu ia dizer depois, se você aceitasse - desculpou-se.



— Então daqui a três dias, quando a gente se encontrar, você diz tudo isso. Eu gosto de palavras bonitas, sabia? - Hermione voltou a sorrir.



 



 



 



* * * * * * * * * *



 



 



 



Tudo aconteceu de forma muito rápida. Hermione ainda se sentia tonta ao lembrar-se dos últimos acontecimentos. Seu coração quase parou enquanto lia a reportagem do jornal trazido por Molly. Não restava dúvida de que precisava voltar à Austrália e com urgência. Naquele dia mesmo pediu licença a diretora da escola para se ausentar por uma semana. Na manhã seguinte, estava dentro de um avião viajando para Sydney.



Conseguiu atingir seu objetivo com a viagem. Sentia-se tensa, feliz, preocupada, esperançosa, confusa e apaixonada. Tudo ao mesmo tempo. Só tinha uma certeza. Precisava ver Ron. E com urgência!



Mas como podia procurar por Ron? Ainda se lembrava da forma rude com que ele a havia tratado na última vez na qual se encontraram. Era o casamento de Gina e Harry.  Esperava que o ruivo fosse ao menos educado com ela. Mas o rapaz fez questão de mostrar que não queria e não precisava nem mesmo da amizade de Hermione.



Tinha certeza que Ron rejeitaria qualquer nova aproximação. Conversando com Isobel, nasceu uma ideia um tanto ousada e arriscada. Procuraria por Carlinhos, que trabalhava no Ministério da Magia da Romênia, no Departamento de Proteção aos Dragões e Criaturas Mágicas. Hermione tentaria convencer o segundo irmão mais velho de Ron, com quem ele dividia o apartamento em Bucareste, a ser seu aliado no plano de encontrar pessoalmente com o ex-namorado.



Por intermédio de Isobel, que tinha amigos influentes naquele país, conseguiu marcar um momento para conversar com Carlinhos pela Rede Internacional de Pó de Flu conectada ao ministério romeno. Parecia a forma mais segura para manter aquele diálogo em segredo. Não queria que Ron sequer suspeitasse de seus planos.



— Hermione! Que surpresa. Disseram que uma bruxa do Canadá tinha um assunto urgente para tratar comigo e precisava de uma audiência particular pela Rede de Pó de Flu. Como sabe, por conta desse meu trabalho com dragões, tenho contatos em muitos países. Jamais imaginei que fosse você - o rapaz era sempre simpático e falante.



— Desculpe não ter me anunciado. Mas o que preciso falar com você é um assunto pessoal, sigiloso e, pelo menos para mim, urgente - Hermione foi objetiva, mas o a voz trêmula mostrava todo o nervosismo dela.



— Em que possa ajudá-la? É algum assunto relacionado aos dragões? - Carlinhos a olhava com certa curiosidade.



— Você vai achar meu pedido estranho, mas... Carlinhos, você sabe que meu namoro com seu irmão foi muito conturbado. Acredito que até hoje Ron não me perdoou pela forma como tudo aconteceu. Por isso acho difícil que ele aceite conversar comigo. Mas preciso falar com Ron e queria que você me ajudasse - mesmo se constrangida, Hermione não hesitou em dizer o que precisava.



— Se for algum assunto relacionado ao trabalho, o melhor é procurar o chefe dos aurores - o especialista em dragões parecia intrigado com aquele inusitado pedido.



— Na verdade, é um assunto pessoal. E muito importante. Eu só preciso que me ajude a ter esse momento a sós com Ron para podermos conversar com calma - Hermione novamente não fez rodeios, embora as faces coradas denunciassem todo o constrangimento da jovem bruxa.



— Esse assunto pessoal e importante do qual falou precisa realmente ser compartilhado com Ron? Acho que o melhor seria resolver isso de outra forma. Quem sabe Harry, que é um excelente auror e seu amigo, não possa ajudar... - propôs para uma bruxa perplexa.



— Não, Carlinhos. Ninguém mais pode me ajudar a resolver isso. Na verdade, é um assunto que diz respeito apenas a mim e a Ron - as faces da menina agora tinham a cor de um pimentão.



— Ainda assim, acho melhor que reflita bem se deve procurar por Ron. Talvez não imagine o quanto fez o meu irmão sofrer. Ele amou muito você. Para que correr o risco de magoá-lo ainda mais? - o rapaz surpreendeu-a com suas palavras.



— Carlinhos, eu preciso explicar para Ron porque me afastei tanto dele. Eu nunca quis magoá-lo - por fim decidiu dizer toda a verdade.



— Mas para que essa explicação agora? Isso vai mudar alguma coisa? Ele está lutando muito para esquecer você - ele insistiu.



— Eu não quero que Ron me esqueça! - a bruxa falou com ênfase.



— Não?! Mas se não ama Ron, esquecer você é o melhor para ele - devolveu o rapaz.



— Quem disse que eu não amo Ron?! Se eu não o amasse, não estaria aqui vivendo essa situação tão constrangedora para tentar me aproximar dele e ter chance de desfazer um grande mal entendido - Hermione expôs os próprios sentimentos e duas pesadas lágrimas rolaram por sua face.



— Nesse caso, pode contar comigo - Carlinhos rendeu-se à evidência de Hermione ainda amava Ron.



 



 



* * * * * * * * * * * *



 



Hermione já conversou com Gina, Molly e agora com Carlinhos. Mas o ruivo que ela realmente quer encontrar permanece distante. E o pior é que a garota não sabe como será tratada pelo rapaz que, como ela já evidenciou, não foi nada cortês quando se viram pela última vez, no casamento de Harry e Gina. 



Façam suas apostas e sigam comigo! 



P.S: Já falei com vocês que amo receber e-mails ou mensagens pelo twitter? Pois é...



 



 


Compartilhe!

anúncio

Comentários (3)

  • Morgana Lisbeth

    Ana!!! Você sempre rápida nos seus comentários <3Essas cenas de flashback consolam um pouco quem quer os dois sempre juntos, não é?Porque no presente... vai demorar um pouquinho... Não pense que sou má, mas a história foi construída assim para provar o amor de Ron e Hermione. O próximo capítulo está no forno. Bjs :*  

    2016-08-09
  • Ana Clara Molina Ramos

    Esses flshbacks são, sim, consoladores. Você os organizou de forma incrível para os capítulos. Aguardo ansiosamente a união dos dois no presente...ai meu Deus!...porém, sei que essa espera só comprova o quão bom será quando tudo acontecer....e afinal, boas histórias tem sempre esse quê de espera. Espero que já esteja quase pronto pra sair do forno o próximo capítulo *-*

    2016-08-09
  • Ana Clara Molina Ramos

    Essa visita do Ron foi tão rápida quanto a postagem de um novo capítulo hoje, hein? Amei isso! Quero mais!!!! Sobre “Ainda não. Me dê uns dias. Preciso pensar" : Custava ter respondido na hora Hermione??? Meu Deus! Quer matar o Ron e todo mundo, só pode. Mas não posso deixar de dizer que ama a expectativa que isso cria *-*. Sobre "Eu gosto de palavras bonitas, sabia?" : Adoro a Hermione! E meu Deus...estava ficandi com raiva do Carlinhos já...tadinho kkk....Por Deus! Esse foi mais um ótimo capítulo, Morgana. Entretanto, já quero outro. Cadê? kkkkkk Obrigada por postar rápida e inesperadamente *-*

    2016-08-08
Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.