Amores Platônicos



9º capítulo – Amores Platônicos


 


"Você nunca sabe realmente o ponto de parada. Você geralmente passa do ponto em que deve ceder. Você não entende desejos alheios e reprime palavras venenosas. Você guarda sentimentos em um jarro dentro do seu peito. Um jarro de cristal que, de tantos sentimentos raivosos, tem se tornado marrom como sua própria alma. Então o jarro se quebra e tudo aquilo escorre para todos os lados, até que a última gota tenha ido embora. Você tem uma crise e despeja tudo, fica limpo.


Então um novo jarro surge. E você torna a preenchê-lo com sentimentos escuros.


 Tão errado... Tão humano!"


 


Colin Creevey


 


 Colin olhou, ainda sem acreditar, Ginevra e Max dançando abraçados Cry Me a River, tão bêbados que era difícil não temer uma queda mortal.


 


-Ela pode cair e partir a cabeça na quina da mesinha de vidro - Scarlett comentou distraída, balançando delicadamente sua taça de vinho - Seria uma tragédia.


 


-Rios de sangue - Colin apoiou os pés na tão falada mesa, um copo de whisky em uma das mãos, um cigarro na outra.


 


-Max poderia cair também - Scarlett sussurrou - Aí ia ser sangue pra dois meses.


 


-Encheríamos bacias e bacias - Colin tragou o cigarro e suspiro - Não sei porque estou fumando - ele a encarou - Hei! Você também está fumando.


 


-Col... - Scarlett deu um longo suspiro - Acho que estamos bêbados.


 


-Uma possibilidade - ele deu de ombros - Eu meio que estou gostando dessa música.


 


-Sinatra era um gênio - Scarlett se virou na poltrona, para olhar nos olhos de Colin - E eu tenho certeza de que essa música foi feita para alguma mulher tipo ela - apontou Ginevra - Eu quase posso ver Draco cantando isso.


 


-Bem... Eles certamente são dramáticos o suficiente para isso - Colin sorriu cúmplice.


 


 Os dois voltaram a observar Gina e Max, ainda embalados em um abraço bêbado, um chacoalhar de corpos bem confuso.


 


 ***


 


-Você acha que ele vai parar de beber em algum momento? - Rony perguntou a Terrence aos berros, para ser ouvido sobre a música altíssima.


 


-Espero que sim - ele deu de ombros, não muito preocupado.


 


 Draco bem que podia irlandês, já que bebia como um.


 


-Lola vai pirar - Blaise sorriu - Ele e Astória estão tão indecentes.


 Os três meninos riram, cúmplices. Draco estava com uma garrafa de whisky nas mãos e dançava com Astória, não poupando mãos e beijos.


 Rony olhou rapidamente o facebook e viu uma foto de Elisha e Dakota, as duas estavam passando o fim de semana em Edimburgo para a festa de alguma revista ridícula de celebridades.


 


-Você insiste em dizer que não curte a Eli - Terrence deu uma cotovelada em Rony - Se liberta cara, assume o sentimento.


 


-Nós somos amigos - Rony revirou os olhos - Meu foco está na...


 


-Dominique! - Terren e Blaise falaram ao mesmo tempo, entediados.


 


 ***


 


 Faith circulou pela festa chatíssima com uma taça de champanhe nas mãos. Hayden estava conversando com um dos donos da BBC, Zéllie estava angariando fundos para algum acréscimo que ela julgava imprescindível para o programa dele.


 Seu celular tocou.


 


-Cadê você? - Gina berrou do outro lado da linha. Ela sorriu.


 


 Seu sábado seria salvo.


 


 ***


 


-NOW YOU SAY YOU LOVE ME - Max e Gina gritaram no banco de trás, atormentando Scarlett e Colin, que iam na frente.


 


-Se eu ouvir Cry me a river mais uma vez... - Scarlett suspirou e apoiou a cabeça no ombro de Colin, que era o motorista.


 


-Sinatra não parece mais tão gênio assim - Colin riu e fez uma curva ilegal - Sabe que em São Paulo, no Brasil, chamam isso de "dar um gatinho"?


 


-Como assim?


 


-Quando você faz alguma coisa errada - ele riu com a lembrança - Todo mundo no carro grita "miau"!


 


 Max e Gina pararam de cantar por um segundo, apenas observando o riso anormal dos amigos no banco da frente.


 


 ***


 


  Lexie entrou na boate com um vestido prata frente única minúsculo. Nos lábios o seu inseparável batom vermelho. A música alta a fez entrar no clima em um segundo. Não foi difícil ver o espetáculo de Draco e Astória na pista de dança.


 No camarote conseguiu ver Blaise, Rony e Terrence.


 


-Cadê a sua irmã? - Terrence perguntou enquanto a abraçava com força - Você está tão linda princesinha.


 


-Nossa pequena Branca de Neve Malvada - Blaise riu enquanto a puxava pela mão, fazendo-a rodopiar.


 


-Idiotas - ela riu e revirou os olhos - Nosso querido casal derrota está jantando com outro casal derrota. Agora me digam, o que a Ruiva Má do Oeste fez com o Draco?


 


-Minha irmã não fez nada - Rony cruzou os braços e olhou suspeito para Lexie - Por que a pergunta?


 


-Apenas Ginevra Weasley tem a capacidade de deixá-lo assim.


 


 Os quatro observaram Draco no mais completo silêncio. A afirmação de Lexie não poderia ter sido mais verdadeira.


 


 ***


 


 Faith, Hayden e Zéllie estavam na porta da festa, em uma antiga mansão perto de Chelsea, esperando ansiosos pela promessa de um sábado bom.


 


-Que festa roubada - Faith reclamou - Vocês trabalharam a noite toda.


 


 Um carro preto virou a esquina a toda. Os três observaram, estarrecidos, uma porta se abrir a uma mão acenar.


 


-Vamos queridos! - Ginevra chamou.


 


 ***


 


 Elisha deu a última entrevista da noite e foi procurar Dakota. Encontrou a amiga bebendo no bar da festa, é claro, rodeada por jogadores de quadribol.


 


-Você não deveria estar escrevendo uma matéria sobre essa festa? - perguntou enquanto aceitava o banco oferecido por um dos jogadores - Eu já dei uma 15 entrevistas sobre a organização da festa.


 


-Eli - Dakota piscou, um sorriso imenso nos lábios - Você me conta tudo depois. Agora vamos beber com esses russos lindinhos - sussurrou.


 


-É, pois é - Elisha olhou distraída pela festa. Sabia que a qualquer momento alguns meninos do Chudley chegariam. Só queria saber quem exatamente vinha - Gin, por favor - pediu ao barman.


 


 Beberia com classe. Ou talvez fosse só uma bebida de classe... Porque toda a fineza sumiria no final da noite com todos os drinks que ela pretendia tomar.


 


-Gin é tão pretensioso - Dakota observou com um sorrisinho esperto - Mas eu aceito isso sobre você - finalizou, arrancando uma risada de Elisha.


 


 ***


 


 


 Draco deixou que Astória o conduzisse pela pista de dança, enrolada ao redor dele como uma dessas plantas sufocantes. Ele não conseguia se importar com nada, amortecido com o tanto de bebida que já havia ingerido.


 


 -Eu amo tanto você - ela murmurou contra seu ouvido - Por que não me ama de volta?


 


-Astória... - Draco riu - Você não me ama, nunca amou, nunca vai amar. Você é só mais uma em busca de status e dinheiro. Mais dinheiro.


 


-Isso não é verdade - ela brilhou os olhos na direção dele - O seu dinheiro é um enorme atrativo, mas eu quero tudo de você Malfoy - ela o beijou com força - Tudo!


 


 Draco soltou a garrafa de whisky vazia nas mãos de um garçom que passava por ali, depois enrolou os dedos ao redor da cintura de Astória. Puxando-a para ela, fazendo-a se sentir a garota mais desejada da noite.


 


 ***


 


 Colin entrou na boate segurando a mão de Scarlett e a bolsa de Ginevra. Ele estava rindo de algo que Hayden havia acabado de contar, sobre uma modelo louca e seu assistente problemático. Faith e Zéllie estavam empolgadas, já dançando... Gina e Max era uma dupla única.


 Ela sorria para todos os que encontrava, estonteante em um vestido preto.


 


-Hey! - alguém gritou - Jovem! - Colin procurou a voz que parecia berrar sem descanso - Colin, meu rapaz!


 


 Não foi difícil encontrar Blaise e Rony praticamente pulando do camarote, na ânsia de serem encontrados. Colin acenou de volta.


 Um dos dois deve ter feito sua mágica, já que em segundos alguém apareceu com pulseirinhas de acesso ao camarote. Todos pegaram, menos Gina e Max, que já tinham se perdido na multidão que dançava loucamente.


 Scarlett se adiantou para abraçar alguém. Colin só pode perceber quem era depois de um segundo, quando já era tarde demais para se proteger dos olhos dela.


 


-Oi Colin - Lexie sorriu como o próprio Diabo.


 


 Ou talvez só estivesse revivendo seus dias de Branca de Neve Malvada.


 O estômago de Colin contraiu, enviando ondas de calor e ansiedade.


 Porra!


 Ele ainda a amava.


 


 ***


 


 Gina fechou os olhos e deixou que Max a guiasse, seguindo as batidas do seu coração, que pareciam ecoar por todo o seu corpo. Tudo o que tinha bebido, nas horas anteriores, parecia ter nublado sua visão e aguçado seus sentidos.


 


-Estou tão entorpecido agora... - ele sussurrou em seu ouvido.


 


-Eu me sinto tão completa... - ela sussurrou de volto, ainda sem abrir os olhos.


 


 Amava a batida ensurdecedora da música, rodeando sua mente e entrando em sua alma. Os dois se abraçaram e continuaram dançando... Sequer perceberam uma dupla que os olhava intensamente.


 


 ***


 


-Nunca entendi sua fixação por ela - Astória o olhou, revoltada - Ela não passa de uma...


 


-Não há o que entender, Astória - Draco se afastou - Se eu não consigo explicar nada, você sequer vai chegar até a superfície dos meus pensamentos.


 


 Astória o observou partir magoada, acompanhando-o em sua subida até o restrito camarote. Provavelmente ia pedir outra garrafa e beber até ficar desacordado. Mergulhado em miséria e ciúmes.


 Ela caminhou até o banheiro, tão irritada que apenas empurrava as pessoas para poder passar.


 Tirou o celular da minúscula bolsa e chamou o único reforço que conhecia. Talvez Draco não fosse ser seu no final das contas, mas também não seria dela.


 


 ***


 


 Quando Theodore e Miguel chegaram na festa, Elisha e Dakota ainda estavam enroscadas com os ridículos russos.


 Em um segundo, eles as roubaram, conduzindo-as para o melhor lugar de qualquer festa: o bar.


 


-Vocês demoraram uma eternidade - Elisha reclamou enquanto retocava o batom.


 


-Hei, eu estava quase tirando uma notícia interessante daquele loirinho - Dakota piscou para o russo em questão, que ainda não tinha parado de olhá-la.


 


-Hux acabou de mandar mensagem - Miguel comentou distraído, mexendo no celular - Vamos mandar uma foto.


 


 Os quatro posaram, só sorrisos e abraços, quase parecendo dois casais.


 A foto foi postada no facebook de Theodore, e em segundos já tinha bombardeado Londres.


 


 ***


 


 Huxley olhou atentamente a foto que Theo tinha acabado de mandar pelo whatsapp, tentando decifrar o que os quatro faziam ali. Dakota parecia levemente corada, quase como se tivesse rido por horas... Talvez fosse o caso.


 


-Hei baby! - sua companhia da noite tentou lhe dar a mão - Vamos fazer alguma coisa agora? Minnie mandou mensagem falando que...


 


 Hux se desligou de toda a falação de Monique, se perguntou, por alguns segundos, o que o tinha feito sair com ela naquele sábado. Voltou a olhar a foto, ainda inconformado.


 Um flash chamou sua atenção para os fotógrafos que o espreitavam, do outro lado da rua. Fechou o celular com um estalo e passou o braço sobre os ombros de Monique, parecendo o perfeito cavalheiro que deveria sair na câmera.


 


 ***


 


 Scarlett se juntou a Ginevra na pista de dança. Eles estavam ali há horas agora, perdidos no ritmo alucinante da música, nas luzes piscando sem parar, no calor, na bebida.


 Dançaram juntas, esquecendo o que estava acontecendo ao redor, sem perceberem os olhares. Max e Colin se juntaram a elas, os quatro fechados em um círculo momentaneamente intransponível.


 Do alto do camarote, Lexie olhava Colin com atenção, mal ouvindo o que Terrence tentava lhe falar sobre Scarlett. Draco estava sentada no sofá, Astória em seu colo o beijando como se não houvesse amanhã.


 Rony estava bêbado e reclamando com Blaise sobre alguma foto que Theo tinha postado, possivelmente no facebook.


 


 ***


 


 Sempre que bebia, Faith sentia que algo habitava seu corpo. Não tão forte como na época em que estudava em Hogwarts, quando conseguia controlar até mesmo o tempo. Não. Agora ela sentia essa onda elétrica correndo todo seu corpo, fazendo-a oscilar enquanto caminhava pela área de fumantes, na parte de trás da boate.


 Tirou o celular da bolsa e, sem um segundo pensamento, ligou para Tad. Ele atendeu no primeiro toque.


 


-Oi - quase podia vê-lo sorrir.


 


-Oooi... - Faith falou lentamente.


 


-Você bebeu, não bebeu? - ele riu - Estou saindo de um jantar de negócios nesse instante. Onde é a festa hoje?


 


-Estou em uma boate... Mas não sei o nome - ela tomou um gole de seu corpo de vodka - Talvez Blaise saiba. Ou algum deles.


 


-Quais deles? - Tad brincou - Você não está falando nada com nada... Quer que eu te pegue?


 


-Acho melhor não Tad. Não damos certo juntos.


 


-Claro que damos certo... - ele ficou em silêncio por alguns segundos - Você nunca me deu tempo suficiente para provar isso.


 


 Faith se distraiu por um momento enquanto avistava Zéllie e Gina indo até ela. Tão fora de órbita que desligou o telefone sem nem mesmo se despedir.


 


 ***


 


 Lexie estava voltando do bar com uma bebida nas mãos, algo transparente e borbulhante. Colin se aproximou com calma, analisando-a. Seu próprio céu e inferno, juntos em um corpo de tirar o fôlego e lábios vermelhos como sangue.


 


-Perdido na tradução? - ela brincou, andando em círculos ao redor dele - Você nunca consegue realmente me acompanhar, não é?


 


 Ele sorriu com a provocação, segurando-a pelos ombros, olhos fixos.


 


-É sempre exaustivo correr atrás de você, Alexandra Parkinson - ele se aproximou e passou a sussurrar, lábios colados no ouvido dela - Você é essa pequena, linda e escorregadia pessoa que entrou em minha vida como um tornado. Você mudou meu futuro, me tirou do rumo. Você partiu meu coração.


 


 Ela fechou os olhos, em silêncio por alguns segundos... Até que os abriu e a encarou.


 


-Você também partiu o meu.


 


If I told you this was only gonna hurt
If I warned you that the fire‘s gonna burn
Would you walk in? Would you let me do it first?


 


 E então o drink era apenas uma poça no chão, e ela era toda dela, de um jeito que não tinha sido até então. Nem dele, nem de ninguém.


 Colin a beijou como se sua própria vida dependesse disso... Talvez realmente dependesse.


 Sempre tinha sido ela.


 A energia solar que o movia, que o tinha feito correr o mundo em busca daquilo que só havia sentido com ela. Ele estava errado... Poderia ter rodado por mais vinte anos.


 Continuaria insatisfeito, incompleto.


 Só existia uma Alexandra Parkinson. E ela seria dele e de ninguém mais.


 


 ***


 


 Dakota e Elisha aceitaram o convite de Miguel e Theodore para um after party. Eles andaram por uma cidade deserta, caminhando em busca do hotel, ou do próximo bar aberto.


 Talvez ela não pudessem ter quem realmente queriam, mas nada as impediria se aproveitaram as oportunidades da vida.


 


-Seu celular está tocando - Elisha cutucou Dakota - Não vai atender?


 


-Não importa - ela sorriu - Já sei quem é.


 


 A tela piscava, sem parar, um único nome: HUX.


 


 ***


 


 Tad encostou o carro no meio fio e entregou a chave para o manobrista. Foi difícil entender o endereço que Lexie tinha lhe gritado quando ele ligou pra ela. Difícil, mas não impossível.  


 Cormac, aquele rato, chegou junto com ele.


 


-Nott - Cormac cumprimentou com seriedade.


 


-E aí? - Tad não deu muita atenção ao garoto.


 


 Não gostava dele em Hogwarts, gostava menos ainda agora. O segurança abriu rapidamente caminho para que entrassem.


 Tad correu os olhos pelo lugar, em busca de Faith. A verdade é que em seus vinte e tantos anos de vida ele conhecera muitas mulheres. Aos montes.


 Ele saiu com modelos, atrizes, socialites, colegas de faculdade, empresárias. Nenhuma, absolutamente nenhuma delas, permanecia em sua mente como Faith. Ele ainda se lembrava das asas negras e da loucura em seus olhos, o ar de maldade que transbordava no rosto mais puro que ele já vira.


 Revê-la tinha trazido tudo a tona, fazendo-o questionar-se sobre que rumo queria dali para a frente. Talvez fosse o momento de deixar os amores platônicos mais reais.


 


-Eu sabia que você ia aparecer eventualmente - Zéllie riu enquanto apoiava a cabeça no ombro dele - Toda vez que ela gira eu posso jurar que vejo asas negras. Não é bizarro?


 


-Você só está muito bêbada - ele sorriu.


 


Do it all in the name of love
Would you let me lead you even when you‘re blind
In the darkness, in the middle of the night
In the silence, when there‘s no one by your side
Would you call in the name of love


 Concentrou-se em encontrá-la, o que não foi difícil. Faith dançava no meio da pista, olhos fechados, um sorriso no rosto. Tão bela que, por alguns segundos, ele ficou sem ar. Ela girou, braços movimentando-se lentamente... E as asas. Não tão claras quanto antes, mas definitivamente lá. Frágeis e etéreas, um pouco douradas e negras... Quase como fumaça se dispersando.


 


 ***


 


 Rony mandou outra mensagem para Elisha, um pouco irritado que ela não tinha sequer visualizado.


 


-Ela está te ignorando, esquece cara - Terrence riu, abraçado a uma garrafa de whisky e uma loira bem parecida com Scarlett.


 


-Ele apenas não desiste - Blaise riu, virando o que devia ser o vigésimo copo da noite - Hei... Você é a Scarlett? - perguntou para a loira.


 


-Não - a menina revirou os olhos, irritada porque Terrence já tinha errado seu nome incontáveis vezes - Meu nome é Lohrany.


 


-Que nome estranho - Blaise e Rony murmuraram ao mesmo tempo, enquanto a encaravam.


 


 Terrence os ignorou e sumiu com a menina.


 


-Cinco da manhã - Blaise observou - Cadê as meninas hein?


 


-Trabalhando - Rony revirou os olhos - Dominique falou que elas tinham que entregar não sei quantos vestidos, então Hermione e ela foram para a casa de alguém.


 


-Sei... - Blaise olhou ao redor - Sua irmã está surtada na pista - ele riu - A Ruiva Má do Oeste faz um puta estrago, mesmo sem intenção.


 


-Draco é um homem adulto, minha irmã não faz nada com ele - Rony olhou o amigo impaciente - Estou cansado de falaram isso.


 


-Não seja inocente jovem Ronald - Blaise o provocou - Até as árvores sabem que ela vira a cabeça dele.


 


 ***


 


 Gina perdeu os amigos e a noção da hora. Suas pernas doíam e seu coração estava tão acelerado que parecia sair do peito. Ela andou pela boate por horas, até que finalmente o viu. Ela já tinha avistado Draco Malfoy, é claro. Apenas o ignorou porque ele estava tão colado com Astória Greengrass que não seria possível separá-los.


 Alguém cruzou seu caminho.


 Alguém com um sorriso lindo.


 E que a chamou pelo nome.


 


-Nós nos conhecemos? - ela perguntou desconfiada, um ínfimo sorriso nos lábios.


 


-Claro que sim - ele riu. Uma risada tão musical que ela se encontrou sorrindo abertamente de volta - Cormac Mclaggen.


 


-Claro que te conheço - ela esticou um mão - Prazer.


 


 Ele pegou a mão dela e a balançou suavemente. Tinha poucos segundos para mantê-la interessada.


 


-Você ainda é a Rainha Má? - ele brincou - Me lembro de ser governando por suas mãos de ferro.


 


-Nada de Rainha Má - Ginevra continuou sorrindo - Agora é só Rainha do Coração Partido, mas não vou entediá-lo com minhas conversas - ela brincou - Preciso apenas achar meus amigos e ir embora.


 


-Também estou indo - ele mentiu - Te dou uma carona. Não seja a estraga prazeres - Cormac continuou sorrindo com falsa simpatia - Juro que não mordo.


 


 ***


 Em algum momento Draco percebeu que Dakota... Não... Astória! Sim, Astória! Ela estava sentada em seu colo, beijando-o no pescoço e rosto... Tão irritante. Segurando-a pelos ombros, tentou pará-la por um segundo. Exausto, tão exausto que mal conseguia lembrar o motivo da sensação ruim que não o deixava.


 Levantou-se rápido, derrubando whisky por todo o chão do camarote. Andou até o fim, para que pudesse ver a pista. Seu cabelo estava espalhado por todos os lados, bagunçado.


 


-Cara, você está bem? - Terrence colocou a mão no ombro dele, tentando equilibrá-lo.


 


 Draco colocou as duas mãos na grade, tentando encontrar na multidão o pedaço dele que parecia faltar. Sua mente estava nublada, ele conseguia ver o sol entrando por uma imensa janela. Seus amigos estavam desaparecidos, possivelmente em algum quarto com uma das garotas que os rodearam a noite toda.


 


-Você está bem? - Terren insistiu.


 


-Não sei... - murmurou - Não lembro do que fiz nas últimas horas.


 


-E quem se lembra? - Terren riu, abraçando uma loira e indo em direção a saída.


 


 Ele voltou a olhar para a pista... Sabendo, agora, de quem sentia falta.


 


-Ela foi embora há horas - Astória zombou enquanto se aproximava dele - Vamos sair daqui.


 


In the name of love, name of love
In the name of love, name of love


 


 ***


 


 Elisha acordou com o celular tocando insistentemente. Levantou-se com cuidado para não acordar Theodore, que dormia caído no chão da sala. Dakota e Miguel tinham desaparecido em algum momento, ela apenas não se lembrava direito em qual.


 Um sol fraquinho entrava pela janela.


 


-Oi - a voz de Rony soou confusa do outro lado da linha - Por que não respondeu minhas mensagens? Você está em outro país e não conhece nada, custa dar uma satisfação? Eu estava preocupado.


 


-Sério Rony? - Elisha revirou os olhos - Eu estava dormindo, não acredito que me acordou para isso.


 


-Eli, o que está acontecendo? - Theodore perguntou sem sequer abrir os olhos, ainda morto para o mundo.


 


-Quem está aí? - Rony exigiu - Você está com alguém?


 


-Tchau Ronald - ela desligou a ligação e o telefone - Desculpa Theo.


 


-Tudo certo... - ele murmurou - Vem dormir.


 


Elisha sorriu e deitou no chão com ele. Não tinha rolado nada com os dois, mas, ela percebeu, não falaria essa parte para ninguém. Que cada um tirasse suas próprias conclusões. E dane-se Ronald Weasley.


 Ah tá!


 


 ***


 


-Ela desligou a porra do celular - Rony reclamou para Blaise - Não acredito nisso! Tinha alguém com ela, tenho certeza. Ouvi a voz - ele continuou, nem percebendo que Blaise estava revirando os olhos - Deve ser um daqueles russos idiotas. Ela adora os jogadores idiotas.


 


 Blaise mudou a música e continuou dirigindo, cantarolando e ignorando a chateação de Rony. Passou pelo prédio e seguiu, tentando lembrar exatamente como chegar lá. Nunca era bom com instruções, preferia um GPS gritando em seu ouvido que caminho seguir.


 


-Blaise... - Rony arregalou os olhos - Cara, você errou o caminho de casa.


 


-Claro que não - Blaise riu - Estou indo pegar uma pessoa.


 


 Dez minutos depois pararam em uma imensa casa. Blaise buzinou e saiu do carro. Rony continuou tentando ligar para Eli.


 


-Oi esquisito - Dominique bateu com a bolsa nele, parada do lado de fora do carro.


 


-Dominique? - ele a observou, assombrado - Mas como?


 


-Blaise veio nos buscar, seu bêbado confuso - ela gargalhou - Vamos comer alguma coisa.


 


 Hermione e Blaise vinham logo atrás, conversando e rindo, cúmplices.


 


-Vamos comer alguma coisa - Blaise avisou Rony enquanto entrava no carro - As meninas estão com fome.


-Escuta... - Rony os observou - O quão longe é Edimburgo daqui? Estou pensando em ir de carro.


 


-Apenas o ignorem - Blaise avisou as duas e aumentou o som.


 


If I told you we could bathe in all the lights
Would you rise up, come and meet me in the sky?
Would you trust me
when you‘re jumping from the heights?
Would you fall in the name of love?
When there‘s madness
When there‘s poison in your head
When the sadness leaves you broken in your bed
I will hold you in the depths of your despair
And it‘s all in the name of love


 ***


 


 Draco ignorou completamente Astória, que parecia interessada em mexer em toda a sua casa. Ela olhou quadros, fotos... Cantos. Com um suspiro exausto dirigiu-se ao seu quarto. Talvez se dormisse, por um ou dois anos, fosse capaz de esquecer essa noite irritante e falida.


 


 ***


 


 Colin não conseguia dormir. De forma alguma. Estava exausto, isso era verdade, ainda levemente bêbado... E já começando a ter uma ressaca. Ele se virou e continuou a encará-la, quase como se não pudesse acreditar.


 E verdade seja dita... Ele não acreditava.


 Mas era verdade.


 Lexie suspirou e se mexeu na cama, aproximando-se ainda mais dele.


 Colin sorriu.


 


 ***


 


 Tad parou o carro na porta do prédio de Faith. De longe conseguia ouvir o barulho da festa que tinha acabado de começar no apartamento dela.


 


-Zéllie não tem limites - Faith o olhou divertida - Ainda bem que você parou pra comprar bebidas.


 


-Vocês duas não conhecem a palavra limite - Tad sorriu.


 


 Ele tirou as duas sacolas do carro e passou um dos braços sobre os ombro de Faith, caminhando com ela enquanto passavam pela portaria.


 


-Alguém via a Gina? - Scarlett perguntou para ninguém em particular - Eu podia jurar que ela estava vindo.


 


-Não sei dela - Max comentou enquanto puxava uma garrafa do alto do barzinho que ficava no centro da sala - Mas todos nós sabemos que a garota sabe se virar.


 


 Scarlett pegou o celular para mandar uma mensagem para Gina, mas ele já estava tocando. Ela ignorou a chamada de Terrence e se concentrou em Zéllie e Hayden, que dançavam na sacada, certamente animado os madrugadores daquela rua.


 


If I told you we could bathe in all the lights
Would you rise up, come and meet me in the sky?
Would you trust me
when you‘re jumping from the heights?
Would you fall in the name of love?
When there‘s madness
When there‘s poison in your head
When the sadness leaves you broken in your bed
I will hold you in the depths of your despair

And it‘s all in the name of love


 


 Ele ligou mais uma vez.


 Ela desligou o celular.


 


 ***


 


 Cormac dirigiu por Londres por quase meia hora, falando sem parar. Gina só conseguia olhar o céu, e o sol ficando cada vez mais intenso. A bebedeira estava passando, e ela só conseguia sentir o vazio dentro de seu coração dominando-a lentamente.


 Amar não deveria ser tão horrível.


 


-Chegamos - ele anunciou e desceu do carro sem um aviso.


 


 Em um segundo estava do outro lado, abrindo a porta pra ela. Gina observou a paisagem enquanto saia do carro, ainda naquele vestidinho de balada. Estavam em alguma parte alta, de onde conseguiam ter uma vista linda.


 


-Onde estamos? - perguntou enquanto se maravilhava com a paisagem.


 


-É do meu pai aqui - Cormac confessou, um pouco já cansado de usar táticas baratas de conquista. Ela apenas não o enxergava - Uma vista limpa e clara de Londres.


 


 Ela ficou em silêncio, deixando que o vento carregasse tudo o que tinha de ruim em seu coração.


 


In the name of love, name of love
In the name of love, name of love
(Martin Garrix - In the Name of Love)


 


-O que você quer fazer agora mesmo? - ele perguntou baixinho, tentando não quebrar o momento.


 


-Quero ir embora - ela murmurou - Nunca pensei que Londres fosse ser capaz de partir meu coração novamente.


 


-Não foi Londres que fez isso - Cormac a estudou atentamente - Você é muito diferente do que eu imaginava. Sei que a Rainha Má foi embora, mas talvez ela precise voltar.


 


 Gina o considerou por alguns minutos, olhos fixos na paisagem. Então algo bateu nela. Diretamente em seu mente. Talvez fosse hora de retormar velhos hábitos.


 


-Eu imagino que o seu interesse repentino não tenha nenhuma relação com seu pai perdendo a empresa para o grupo Malfoy - ela fixou os olhos em Cormac, um sorriso nos lábios - Quer fazer um trato?


 


 ***


 


DOIS ANOS ATRÁS...


 


 


 Ginevra olhou entediada para seus quadros. Scarlett entrou em seu pequeno estúdio como um furacão.


 


-Posso cheirar sua infelicidade, qual o problema Gina?


 


-Estou infeliz com tudo o que tenho pintado, não sei o que fazer - ela murmurou - Acho que vou botar fogo em tudo e vender artesanato nos pés da Torre Eiffel.


 


-Super maduro - Scarlett riu - Vamos fazer um trato, sim? Nós saímos hoje com aqueles dois irmãos espanhóis e amanhã cedo vou com você comprar mais tela. Comece de novo.


 


-Eu tenho uma apresentação em um mês Scarlett - ela falou frustrada - Como é que vou começar do zero? Tem noção do tempo que tenho perdido com isso?


 


-Esse é o problema Ginevra - Scarly suspirou - Isso não pode ser perda de tempo nunca, você tem que amar suas telas... Amar pintá-las... Ou ninguém vai amá-las. Você precisa de novos ares, pare de planejar tudo com tanta antecedência.


 


-Deixa rolar? - Gina abriu um leve sorriso - Esse é seu conselho?


 


-Sim - ela abriu um brilhante sorriso - Deixe rolar. Agora vai tomar banho e se arrumar, porque a noite vamos mostrar para aqueles espanhóis que as inglesas não são tábuas frígidas.


 


 As duas saíram naquela noite. E na seguinte. Vinte e sete dias depois Ginevra tinha vinte novas telas.


 Todas foram vendidas na exposição.


 


 


 --------------------

N/A - Perdão pela demora, mas não achava minha senha. Nem daqui nem do email. Problema resolvido. Muito obrigada meninas que não desistiram da fic. Críticas e sugestões, sem bem vindas. Meu e-mail: [email protected]

Um beijooooooooooooooooooooo 

Compartilhe!

anúncio

Comentários (0)

Não há comentários. Seja o primeiro!
Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.