Cap. 5 - Perdoa-me



Mais uma noite de amor entre os grifinorianos, dessa vez era no vestiário de quadribol... Já havia se tornado freqüente esses "encontros secretos" desde que Harry ficara sabendo da "verdade".

Harry definitivamente não queria mais voltar para a sua vida heterossexual. Era gostoso sentir prazer e dar prazer a quem ele gostava, principalmente sabendo que se tratavam de amigos dele, pessoas em que ele poderia confiar os seus maiores segredos.

Mulheres também poderiam dar prazer e confiar segredos, mas... era diferente... Mulheres eram diferentes, pensavam diferente e por mais legais que fossem nunca poderiam entender tudo o que se passava na cabeça de um homem... O homem sim entendia um outro homem... Um pensamento como este poderia ser considerado machista, mas, para Harry, este era o certo.

Ele havia descoberto isso ao longo dos seus quase dois anos de convivência com Mione. Por mais ami que ela fosse ela nunca fora capaz de superar Rony, o melhor amigo de Harry.

Colin também não ficava para traz, em diversas situações ele se mostrava mais maduro do que o próprio Rony... Definitivamente ele se mostrava ser o oposto do que Harry pensou que fosse... Harry nem gostava de pensar muito no assunto, mas na verdade ele preferia estar na cama com Colin do que com Rony, seu amigo desde que o encontrou no Expresso de Hogwarts pela primeira vez.

Em algumas madrugadas de insônia Harry até começava a pensar em sua vida, e ao longo de seus pensamentos sempre acabava parando no mesmo ponto: O amor. Será que Harry realmente amava algum garoto?

Nos primeiros dias de insônia ele até achava que sim... Ele achava que tinha encontrado sua Alma Gêmea, o rapaz com quem ele sonhara em viver o resto de sua vida... Mas depois, pensando melhor ele mudou de idéia... Qual rapaz era este? Rony ou Colin? Na verdade Harry não amava nenhum dos dois, ele apenas gostava de curtir com os dois novas sensações, zoar e experimentar esse mundo novo em que eles haviam embarcado... Se por algum motivo isso acabasse um dia ele não iria nem lamentar, quanto menos chorar... Fora um momento bom em sua vida que simplesmente acabou.

Momento este que naquela exata hora ele estava curtindo com Colin, em pleno vestiário de quadribol em torno das duas da manhã...



- Harry, como eu era bobo... - Colin e Harry estavam deitados numa espécie de colchão improvisado feito pelos dois na noite passada.

- Do que é que você esta falando Colin?

- Quando eu chorei e jurei que nunca mais iria te ver. - Colin tinha uma voz estranhamente mansa e meiga. - Aquele dia em que eu...eu... - Ele vez um sinal com a cabeça como se estivesse falando "você-sabe!" - aquele dia em que eu... - Ao ver que Harry não entendera o sinal ele resolveu falar claramente com uma voz um pouco mais alterada. - Aquele dia em que eu falhei!

- Haa... - Respondeu Harry como se tivesse acabado de entender o comentário. - Você achou que eu não iria gostar de você só porque aconteceu aquilo...

- É... Agora nós falamos sobre isso rindo, mas você não sabe como eu fiquei mal, principalmente quando eu vi a cara de deboche do Rony.

- Em falar no Rony. - Perguntou Harry com um ar de preocupação. - Onde será que ele se meteu?

- Eu acho que quando ele ficou sabendo que nós havíamos combinado de nos encontrar aqui ele ficou com um pouco de ciúmes.

- Coitadinho do meu Roniquinho. - Brincou Harry.

- Coitadinho mesmo! - Colin tinha um ar de ironia em suas palavras. - Daí ele foi desabafar com o Draquinho Malfoy... Só ele é capaz de consola-lo...

Harry não achou graça.

- Eu já falei para você não falar o nome dele aqui Colin.

- Ha.. qual é... Ta com ciúmes Harry? - Colin ainda estava brincando enquanto falava, parecia que ele não havia entendido que ao tocar o nome de Malfoy na conversa o assunto havia se tornado sério e indesejável.

- Você sabe muito bem o que ele fez comigo não sabe Colin? - Harry tinha um ar sério. - E eu não estou brincando... Eu estou falando sério quando digo que não quero ouvir o nome dele. Entendeu?

- Aham... - Colin perdera toda a ironia em seu rosto. - Mais eu acho que já esta na hora de você superar isso! Cara, quantas vezes ele já te pediu desculpas...

- Eu não aceito as desculpas dele. - Harry disse num tom de quem já estava dando o assunto por encerrado... Ele sabia que as desculpas de Malfoy eram sinceras, mas ele não tinha nenhuma vontade de perdoa-lo.

- Você sabe muito bem que ele até parou de andar com o pessoal da Sonserina... Ele nem amigos tem mais...

- O problema é dele...

- O perdão é um dos mais nobres sentimentos Humano...

- E o problema é de quem?!

- É seu, meu... É de todo mundo!

Harry iria dizer um tremendo palavrão, mas ao invés disso apenas juntou sua roupa e disse:

- PRONTO! TCHAU! SATISFEITO? - E depois foi embora deixando Colin falando sozinho.



***



O dia seguinte amanheceu turbulento, a chuva forte não parava de cair nos terrenos de Hogwarts dando impressão que o mundo estava acabando tamanho era o barulho das grossas gotas de água encontrando com as pedras que cobriam o castelo. O céu estava negro, dava impressão de um crepúsculo escuro, porém o dia estava apenas começando e Harry não sabia o que poderia lhe aguardar mais tarde.

Harry se vestiu, quando desceu Colin e Rony já estavam esperando o garoto.

- Bom dia... - Rony parecia ter acordado com um ótimo humor, ao contrário de Harry. Realmente Malfoy deve ter te deixado bastante feliz ontem a noite, pensou Harry.

- Dia... - Harry não estava olhando nos rostos nem de Colin nem de Rony. Ele não estava muito bem com nenhum dos dois, "se eles gostam tanto assim do Malfoy por que não me abandonam e vão ficar com ele?" Pensou Harry.

Rony entreolhou Colin como se os dois já esperassem essa reação de Harry. Nenhuma palavra mais foi dita até o final do café da manhã.

Dois horários com Snape e um com Lockart deixava qualquer um que já estivesse com um péssimo humor pior ainda. Quando o almoço chegou Harry achou que teria um pouco mais de tranqüilidade, isso até Hermione descer as escadarias em direção aos garotos no Salão Principal com uma cara de tremendo desespero.

- HARRY! RONY - Os gritos de Hermione ecoaram por todo o salão atraindo a atenção de cada um dos presentes.

- Calma Mione... - Disse Rony num sussurro.

- Voc...Cês... - Mione respirou e tentou se concentrar por alguns segundos antes de continuar. - Hagrid foi preso e esta indo direto para Azkaban, a prisão dos bruxos.

Nem Harry nem Rony falaram por alguns segundos. Harry percebeu que Rony estava olhando para ele, procurando o seu olhar, mas Harry não conseguia mais olhar para ninguém... Se Hagrid fora preso era porque realmente fora provado que ele era o autor de todos os ataques que Hogwarts estava sofrendo...

- Como você soube disso? - Perguntou Harry com mais calma.

- Eu fui lá hoje antes da aula... Dumbledore estava lá.... Ele me falou tudo... - Harry já iria perguntar porque ela não falou antes, mas depois ele lembrou que não havia encontrado Mione o dia inteiro, ela não havia ido em nenhuma aula e nem tomado café da manhã. Hermione estava ficando tão distante de Harry... Não, na verdade Harry que estava se distanciando de Mione.

- Eu fui na cabana de Hagrid e encontrei isso escrito provavelmente as pressas. - Mione tirou um pedaço de pergaminho rasgado. Harry pode notar que era a letra de Hagrid apesar de estar completamente disforme e tremula.



Harry, Mione, Rony. Eu sei que vocês vão vir aqui e vão querer saber a verdade... então vou lhes dar uma dica: Se querem saber da verdade sigam as aranhas.





***



- Hagrid é simplesmente louco... - Harry, Rony e Mione seguiram as aranhas... Como já era temido elas iam direto para floresta proibida. Eles adentraram a mata como nunca fizeram antes, uma mata fechada e escura, quase não se conseguia ver a própria palma da mão nos pontos em que a Lua era escondida pelos grossos e altos galhos das arvores centenárias da floresta... E lá, quase que no coração da mata estava escondido o que Hagrid descreveu como quem lhes contaria a verdade: Uma aranha gigante que fora criada pelo garoto nos tempos em que ele freqüentara Hogwarts... Essa aranha havia lhes dito tudo, toda a verdade, mas também havia prometido matar os garotos que por sorte conseguiram sair vivos.

- Essa foi por muito pouco. - Harry precisava parar por um segundo para descansar, eles haviam acabado de sair da floresta e agora estavam na cabana de Hagrid. - Tem água na cabana?

- Acho que não tem não, cara! - Disse Rony mostrando a jarra vazia que servia como uma espécie de filtro. - Mas eu não sei como Hagrid foi capaz de fazer isso com agente! - Rony respirou profundamente, ele também não estava 100% recuperado da aventura. - Digo, o que foi que nós descobrimos indo lá?

- Uma coisa muito importante. - Disse Mione pensativa. - Que Hagrid é inocente...

- É... realmente... - Concordou Harry. - Aquele tal de Riddle deve ter pegado o cara errado.

Os garotos não falaram mais. Havia um som de passos que provavelmente vinham para a cabana.

- Escondam-se... rápido! - Disse Harry pegando a capa de invisibilidade.

A porta se abriu... Dois vultos entraram, um homem pequeno seguido de outro um pouco maior... Harry conhecia os dois, ele tinha certeza!... Um era Colin, o outro era Malfoy.

- Harry! Eu sei que você está aí! - Disse Colin em voz alta. - Eu sei que você está escondido em algum lugar... Eu preciso falar com você...

Ninguém respondeu...

- Eu não vou embora... Vou continuar aqui o tempo que for preciso! - Colin arrastou uma cadeira e sentou, Malfoy continuou em pé com uma aparência de visível nervosismo.

Colin parecia estar sendo bastante sincero... Por um momento Harry hesitou, mas depois retirou a capa do seu corpo revelando os três garotos.

- O que foi Colin? - Harry falava friamente.

- Preciso conversar com você...

- Então fala.... Eu estou aqui...

- Você tem certeza que eu posso falar?

Harry entendeu o que ele estava tentando dizer... Com certeza era algo sobre a sua relação secreta com ele, e Mione decididamente não precisava saber de nada... Mas Harry decidiu por estender o jogo um pouco mais adiante, ele sabia que Colin preferiria ficar calado ao ter que contar de sua vida intima a Mione e decididamente Harry também queria que ele ficasse calado, ele não estava nem um pouco afim de ouvir o que Malfoy e Colin tinham a dizer.

- Por que você não poderia falar?

Colin não respondeu de imediato, ele analisou cada pessoa que estava na sala... Olhou para Harry, para Rony, para Draco e por fim olhou para Mione e disse:

- Eu iria preferir se você, Mione, não escutasse...

- Por que não?! - Retrucou Mione indignada.

Colin não respondeu, mas continuou encarando Mione face-a-face.

- Eu acho melhor você nos deixar sozinhos Mione... - Disse Harry cedendo aos olhares de Rony que o olhava como se quisesse dizer "Você tem que escutar o que eles tem a falar" . - Tome! Pode levar a capa de invisibilidade.

- Não, eu não vou embora. - Mione parecia levemente indignada e tinha uma feição em seu rosto desafiadora e resmungava palavras de xingamento junto de frases como "Quem vai me tirar daqui?" ou "Quem esse Colin acha que é?"

- Mione - Harry estava completamente calmo. - Nós lhe contaremos tudo no dormitório...

- Não vou sair daqui... Eu pensava que vocês fossem meus amigos...

- Nós somos...

- Nós éramos. - Interrompeu Rony já visivelmente alterado... - Agente não precisava dizer na sua cara mas já que você está insistindo tanto... De uns tempos para cá você está completamente chata! Você só fica falando em livros e cobrando coisas que agente não pode fazer... Se você não percebeu nós estamos tentando nos afastar de você, só que... só que... Nós temos dó de você! Por isso que nós não nos afastamos antes..

Mione não respondeu... Ficou olhando fixamente para os olhos de Rony, deu uma ligeira olhada para Colin e Draco para depois fitar Harry por alguns segundos... Harry não falou nada, ficou calado olhando para Mione, logo em seguida a garota fechou os olhos e uma lagrima brotou em sua face.

- Rony... - Esse foi a ultima palavra de Mione antes de sair chorando em direção ao castelo.

- Desculpa cara. - Disse Rony com uma cara de espanto. - Mas esse foi o único jeito de fazer Mione ir embora... Quando eu chegar no dormitório eu peço desculpas para ela...

- Duvido que ela vai aceitar... - Disse Harry. - Ela deve estar brigada comigo também...

- Que nada... Ela esta uma fera comigo...

- Hem, hem - Tossiu Colin em sinal para os garotos se calarem. - Eu acho melhor agente falar de coisas que interessam a todos nós...

- Pode começar... - Falou Harry.

Colin cutucou Malfoy e este que já estava completamente nervoso respirou tão profundamente que Harry teve a sensação de que todo o ar da cabana fora sugado por ele.

- Potter... Quero dizer... Harry. - Malfoy estava completamente tenso. - Eu sei que você tem todo o direito de me odiar... O que eu fiz com você foi simplesmente terrível... Eu sei o que você deve ter passado aquele dia... Eu senti a mesma coisa quando Snape fez comigo... Eu sei que mesmo se eu pedisse perdão você poderia não aceitar.. Se fosse eu no seu lugar eu não aceitaria... - Harry não acreditou mas teve uma leve impressão que caíra uma lágrima do olho do loiro, uma lágrima que logo foi enxugada pelas mãos completamente tremulas do rapaz. - Mas Harry, você é imensamente melhor do que eu... Eu não conseguia admitir antes, acho que foi por isso que criei aquela nossa inimizade, mas você é melhor que eu na astúcia, na valentia e tem... um coração imensamente melhor que o meu... - Agora Malfoy não conseguia mais esconder as lagrimas furtivas que já haviam encharcado todo o rosto o rapaz. - Por ser melhor que eu que eu espero que você tome uma decisão diferente da minha... - Malfoy parou por um instante e depois disse: - Perdoa-me...



Não era uma decisão fácil... Pela primeira vez Harry conseguiu ver a verdade nos olhos do garoto e teve pena dele... Ele estava imensamente arrependido, Harry sabia disso... Mas será que ele merecia o perdão do garoto?... Se Harry relembrasse como fora sua primeira vez com Malfoy, se relembrasse tudo que sentiu durante as investidas do loiro ele iria lembrar que sentira um sentimento esquisito, uma coisa esquisita porém boa, uma coisa que ele não sentira nem com Rony nem com Colin... Harry lembrava de ter por um instante desejado Malfoy mais que tudo... Um desejo que chegara a se confundir com amor... Um desejo que ele não havia sentido com ninguém.... Era isso! Porque Harry iria odiar alguém enquanto podia muito bem amar? O amor era incontável vezes melhor do que o ódio, então, se ele realmente podia amar, para que odiar?

A decisão mais difícil da vida de Harry em segundos havia se tornado óbvia.... Mas era lógico! A melhor sensação da vida de Harry fora sentida com Malfoy! Harry havia esquecido a parte boa que ele sentira na sala do prazer... Ele fora inundado pelo seu próprio preconceito e não pode admitir gostar de Malfoy, mas a coisa agora estava mudada, a cabeça de Harry não era a mesma... Ele estava apto a perdoa-lo deixando de lado o seu orgulho besta.

Harry olhou para Malfoy e viu o seu coração explodindo de ansiedade, ele estava suando frio a espera de uma resposta... Harry não sabia como iria dizer ao sonserino, tinha que ser um momento mágico, não apenas com um "Eu te perdôo" mas muito mais... Harry foi chegando próximo ao sonserino, sua face estava quase colada a face do homem que tanto odiou... Era esquisito estar tão próximo de quem sempre o recriminara, era esquisito estar tão próximo do seu arqui-rival, era esquisito mas era bom, muito bom... Harry já conseguia sentir a respiração descontrolada de Draco, o ar quente que o garoto exalava entrava direto para os pulmões de Harry e ele tinha a leve sensação de ter seu corpo esquentando a cada minuto. Mas não tinha mais o que esperar, a boca de Harry estava a menos de dois centímetros de Malfoy, ele conseguia reparar em falhas na pele do loiro que nunca havia reparado antes, e lógico, essas falhas deixava-o ainda mais perfeito... Que pele oleosa tinha aquele menino, que perfeição, os cabelos loiros, soltos, tampavam seus olhos deixando-o com um ar de ainda mais mistério...

Pronto... Harry sentiu alguma coisa bastante úmida e fina tocar-lhe nos lábios... Era o sonserino... Ele se entregou e beijou-lhe... Que sensação agradável era sentir os lábios de Draco abrindo e fechando por entre a boca de Harry... As duas línguas se encontrando e se explorando com uma delicadeza perfeita... Um beijo longo e sensual de dois homens inteiramente apaixonados...

- Draco... - Murmurou Harry um segundo depois do beijo encerrar-se. - Eu te perdôo... Não sei como não cheguei a essa conclusão antes...

- Eu te amo Harry... - Era muito esquisito ouvir isto da boca de Draco... Harry nunca pensara que um dia o sonserino pudesse ser tão doce assim.

- Eu não acredito, cara! - Harry havia esquecido completamente da presença de Colin e Rony naquele local. - Colin, me belisca para ver se eu não estou sonhando...

- Não, você não está, Rony! - Colin tinha um sorriso alegre e puro. - Bem... Mas o que vocês dois estão esperando?

- Q...Quê? - Respondeu Harry.

- Ora! Você acha que eu tive o trabalho de trazer o Draco aqui para nada? - Disse Colin. - Eu quero ver vocês dois em ação.

Todo mundo estava rindo, inclusive Harry cuja a alegria era eminente... Realmente Harry estava com total razão ao dizer que o amor era incontável vezes melhor que o ódio...

- Harry - Disse Draco. - Eu quero te dar o real prazer... Coisa que eu não pude dar naquela noite...

Harry não respondeu, apenas deu um selinho no seu amado e retirou a camisa...

- Então vamos ver quanto prazer você pode me dar. - O clima estava perfeito para uma noite de amor... Um ar de descontração e desejo pairava sobre a cabana abandonada de Hagrid.

Malfoy também não ficou para trás e tirou a sua camisa revelando um corpo suado e um pouco malhado ( Por mais bonito que fosse o corpo do sonserino não chegava aos pés do de Harry). Os sapatos do garoto foram arremessados para longe com um chute do mesmo... Ele não estava nem aí para seus objetos, Harry estava tomando toda a sua atenção. A calça do sonserino foi arrancada do corpo com uma brutalidade tremenda... Malfoy não se preocupava em esconder que queria acabar com tudo rápido... Ele estava muito excitado e qualquer segundo a mais era uma tortura, e isso fora visto ainda melhor quando o loiro ficou com apenas uma cueca samba-canção.

Harry, por sua vez não demorou a ficar nu, estimulado pela virilidade do sonserino estampada para quem quisesse ver....

- Tire essa cuequinha pois eu estou doido para ver o que é que está causando todo esse volume... - Ordenou Harry.

- Não... Você que vai tira-la. - Respondeu Draco com um olhar de provocação.

Harry obedeceu, foi tirando a cueca aos poucos e aos poucos foi revelando tudo de bom... Ele tomava cuidado para aproveitar o máximo que podia com as mãos enquanto tirava a cueca. Com a mão ele pôde sentir o membro rígido e bastante quente do sonserino... Lindo... simplesmente maravilhoso... Harry teve vontade de abocanha-lo mas ao pensar direito constatou que tinha coisas mais interessantes para fazer...

- É agora MALFOY... Vamos ver se você consegue fazer melhor do que naquela vez... - Provocou Harry.

- Harry. - Falou Draco com meiguice. - Desde quando te vi pela primeira vez sabia que você era uma bicha!

Que!?? Harry estava esperando alguma frase romântica do sonserino... Malfoy parecia tão romântico e de repente... Por que será que ele havia dito isso?

Mas Draco pegou Harry distraído, enquanto ele não estava prestando muita atenção o sonserino enfiou todo o seu membro dentro de Harry, este pelo seu lado soltou um grito de dor... Suas pernas bambearam e ele sentiu o seu anus arder como nunca havia ardido antes.

- Você achou que eu teria dó de você POTTER! - Estava todo mundo assustado, tanto Harry como Colin e Rony. - Infelizmente eu não sei esperar... Eu gosto de ser objetivo...

Agora Harry tinha todos os motivos do mundo para odiar Malfoy, mas... Não! Ele não odiava o sonserino... Na verdade a maneira diabólica com que Malfoy conduzia as coisas deixava Harry ainda mais excitado... Esse sexo brutal realmente era a cara de Malfoy e isso aumentava ainda mais o desejo de Harry.

- Se você acha que me derrubou com isso Malfoy, está muito enganado! - Harry enfim entrara no joguinho.

Maldita foi a hora em que Harry brincou com Malfoy... As investidas no anus já ardido e rasgado de Harry aumentaram cada vez mais rendendo a Malfoy gritos de prazer e a Harry gritos de dor...

Malfoy bombeava cada vez mais forte e mais rápido, chegava a sentir pena de Harry, mas ele não podia amolecer... Ele não sabia o porque estava fazendo aquilo, mas ele simplesmente fazia... Era uma sensação de poder, de controle total, e isso Malfoy adorava.

Mas a dor não durou muito e logo Harry já pode sentir as primeiras sensações de prazer que logo substituíram toda a dor... Agora Harry gritava numa altura que tinha certeza que se tivesse alguém acordado no castelo certamente iria ouvir...

- Vejo que você tem dado muito! - Vociferou Malfoy. - Seu anus não está tão durinho como era antes...

Harry suava... Ele sentia sua cabeça se encharcar e pingava água em seu rosto, mas ele não estava nem um quinto tão suado quanto Malfoy... Harry sentia o sonserino melar em suas pernas e em suas costas... Era extremamente excitante essa troca de fluidos entre os dois e principalmente o cheiro de homem que exalava no cômodo estreito.

Os movimentos de Malfoy se tornavam a cada segundo mais intensos e rápidos... Harry sentia a mão de Malfoy o segurar firmemente, tão firme que chegava a machucar... Harry sentiu que dentro do seu anus o membro de Malfoy havia se contraído e despejado um jato extremamente quente e excitante... Era o néctar do loiro que agora morava dentro de Harry...

Harry se deitou e ao lado dele, morto de cansaço, se deitou Malfoy, mas eles não puderam nem ao menos relaxar pois segundos depois Rony e Colin estavam gritando e batendo palma...

- Aee... Que gracinha! - Brincava Rony.

- Principalmente aquela parte: "Infelizmente eu não sei esperar... Eu gosto de ser objetivo..." - Colin tentava imitar a voz de Malfoy. - Que sexy! Você nunca falou desse jeito comigo Draquinho...

- Cale a boca Creevey! - Disse Malfoy alto para tentar se fazer ouvir no meio daquela zoeira.

- Bem, só que agora o Harry tem que tomar a decisão... - Disse Rony. - Ele tem que decidir.

De repente toda aquela zoeira havia acabado e o silêncio havia tomado conta da sala.

- Que decisão? - Perguntou Harry.

- É mesmo! - Lembrou Malfoy. - Agora que você já "experimentou" todos nós você tem que nos dizer com quem você realmente quer ficar...

- Como assim?

- É Harry. - Lembrou Colin. - Pense e responda: Com quem de nós você realmente quer ficar?

No inicio Harry hesitou, mas depois respondeu:

- Como assim? Eu quero ficar com todos vocês, hora!





FIM!!!



N/A: Por favor, comente sobre esta Fic, fale se você gostou ou não, pois o seu comentário é muito importante para mim. Mande seu comentário para [email protected] .

N/A: Esta planejado uma continuação para essa Fic: "Segredos de um Quarto Ano". Ela deve vir ao ar nos próximos meses/semanas... Quanto mais publicidade a Fic render mais rápido sairá a continuação da mesma, por tanto, se você gostou ou não, não deixe de comentar pelo e-mail [email protected]


MAIS FICS DO AUTOR EM WWW.SLASHER.CJB.NET

Compartilhe!

anúncio

Comentários (0)

Não há comentários. Seja o primeiro!
Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.