Vamos para Hogwarts.

Vamos para Hogwarts.



 



 



*PREFÁCIO*



Electra acordou cedo aquela manhã, estava ansiosa para sair de casa e passar o primeiro ano letivo em Hogwarts, e dali a duas semanas seria seu 11º aniversario.



Ao levantar, se apoiou no balaústre de madeira e viu de cima a pequena bagunça em seu quarto. Ela sabia que teria que arrumá-lo, se quisesse sair. Mas não precisava ser manualmente, desde que estivesse arrumado...



- bem, bem- disse procurando sua varinha- como é o feitiço que mamãe fez aquela vez?



 Ela parou um pouco, não mais que um minuto.



- Estqu’il!- o feitiço foi claro e o movimento da varinha perfeito, toda a bagunça foi se arrumando. Ela era assim, não precisava de muito para aprender, e nem ao menos entrara na escola.



Alguém bateu violentamente na porta.



- pode entrar.



- obviamente posso. Afinal quem manda aqui sou eu- disse Sol com rispidez.



- então por que diabos você bate na porta?- Electra se inflamou.



- desça aqui, quero falar com você.



- eu posso ouvir daqui, não sou surda- murmurou Electra, que, por Merlin, não se fez ouvir pela mãe- já desço- disse mais alto.



Ela escorregou pelo corrimão e parou na frente da mãe. Sol Black tinha os cabelos louros e compridos, os olhos claros, era alta e pálida. Electra era o oposto, o cabelo era preto e curto, seus olhos castanho-escuros, a pele mais morena.



- hoje, como bem sabemos, você e seu irmão irão para Hogwarts. Portanto, não teremos como comemorar seu aniversário...



- aah! Não se preocupe, eu com certeza adoro aqueles ricos metidos que você convida para as festas- disse sarcástica- mas não estou decepcionada.



- não me interrompa garota. Não vou chamá-los porque não dá tempo, não tem nada ver com o fato daquela gente de bem não fazer o seu tipo- seu tom era moderado, ela pensava e pesava cada palavra, de modo a fazer uma crítica silenciosa à filha- enfim, como não terá uma festa, resolvi te comprar uma vassoura, espero não me arrepender e ouvir falar que você saiu na calada da noite montada na vassoura atirando bombas de bosta em Hogsmeade.



Electra sorriu. Não é uma má ideia.



.............................................................................................



*Electra*



-Só coloque o malão na frente, pegue impulso e você verá o Expresso- ia dizendo minha mãe-. Vá primeiro filho.



 Rigel fez o que ela mandou, e assim que se chocou contra a plataforma 9 ¾ desapareceu.



- Electra, espero que você faça bons amigos, amigos puros- não nascidos trouxas, ela quer dizer- espero a carta em que vocês falarão o que acharam da Sonserina, lembre-se que o Chapéu Seletor considera também sua vontade- é melhor que você vá para a Sonserina.



Se o Chapéu considerar minha vontade, a Sonserina é o ultimo lugar para onde vou.



- vá- disse.



- certo- comecei a correr, assim que entrei na plataforma vi o Expresso, vermelho, soltando vapor. Minha mãe chegou logo depois.



- por que demoraram tanto?- Rigel quis saber.



- nada, querido.



- é maninho, nada que te interesse- mostrei a língua



- já chega, Electra- seempre defendendo ele- vá, lembre-se do que te falei.



Virei-me e fui para o Expresso, vi um casal e uma garotinha se despedindo de dois garotos. Os garotos se empurravam e acenavam, a mulher era ruiva e bem bonita, a menina era como a mãe, devia ter seus 10 anos, o homem era alto, tinha olhos muito verdes e uma cicatriz na testa... Cicatriz, por Merlin, Harry Potter.


Compartilhe!

anúncio

Comentários (1)

Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.