Comedia Romantica



Harry vinha visitá-la quase que todos os dias agora, passavam horas jogando conversa fiada fora, assistindo a filmes, ouvindo músicas ou simplesmente aproveitando a companhia um do outro, descobriu que  era tão fácil estar com ele, sentia se tão leve a seu lado que por vezes quase se esquecia da dor que carregava em seu peito, acostumou-se tanto a sua presença que dava-se  por si contando as horas do relógio para vê-lo,  ansiando pelo momento em que enfim estariam juntos. 



 Naquela noite estavam reunidos em sua sala de estar jogados no recém comprado sofá novo (item correspondente ao mês de abril) esperando ansiosamente o relógio bater meia noite para enfim abrir mais uma carta de Rony.  Para matar o tempo resolveram ligar a TV e assistirem a um filme, enquanto deliciavam-se com um delicioso brigadeiro de panela, Harry parecia entediado, não era do tipo que curtia comédias românticas, preferia algo com mais ação e sangue, mas Hermione insistia tanto que acabou cedendo, gostava da sensação de tê-la tão próxima a ele, deitada com a cabeça apoiada em seu colo, enquanto ele furtivamente brincava com uma mecha de seu cabelo, achava graça das tentativas falhas do galã em tentar conquistar a mocinha, o lembrava de si mesmo, seria ele o protagonista daquela história de amor, ou apenas um mero coadjuvante destinado ser para sempre o melhor amigo, provavelmente a segunda opção..



 Hermione fazia força para não rir, há tempos perdera completamente  o interesse pelo que passava na tela tv, com Harry a seu lado fazendo comentários pontuais e sarcásticos  a respeito do filme achava meio difícil se concentrar na saga do casal apaixonados lutando pelo tal amor impossível em busca do seu final feliz, na verdade também achava tudo aquilo uma verdadeira idiotice  se ambos se amavam porque raios não ficavam juntos de uma vez?  Qual a necessidade de criar empecilhos para estarem  juntos quando estava mais do que claro que não conseguiam viver um sem o outro? 



 Não poderia deixar de fazer um paralelo com sua própria vida se fosse ela ali naquela situação seria capaz de ir contra tudo que acreditava por aquele amor?  Provavelmente não, levou anos até que ela e Rony assumissem o que sentiam, e bem também não conseguia se imaginar fazendo algo ilegal ou imoral por aquele amor. Estava curiosa para saber o que o amigo achava de seus devaneios, era tão difícil saber o que se passava em sua cabeça ultimamente, houve um tempo que saberia decifrá-lo como ninguém, agora ele se tornava uma incógnita para ela, sempre comedido, ponderado, como se medisse o peso de suas palavras. 



 Por que você e Gina terminaram Harry? Não planejava ser tão direta,  sabia que ele não gostava de tocar no assunto, mas não podia negar que estava curiosa. Vocês pareciam felizes juntos!



 Harry suspirou profundamente como se analisasse as possibilidades de fugir daquele assunto, preferiu, porém ser sincero com ela. Gina é a garota mais incrível que já conheci em toda minha vida, ela é forte, destemida, inteligente e engraçada a mulher perfeita para se ter ao lado e acredite terminar com ela foi doloroso de uma maneira ao quais palavras seriam incapazes de traduzir. 



 Então porque o fez, se a ama tanto assim, porque fugir dos seus sentimentos, ela se levantou para olhá-lo nos olhos, ele parecia lutar com o impulso de sair correndo, colocou uma colher de brigadeiro na boca demorando mais que necessário para comê-lo, mas por fim respondeu.



 -Não me sinto mais desta maneira, eu a adoro é claro e ela sempre terá um lugar especial em meu coração, mas estou apaixonado por outra mulher e jamais poderia continuar com Gina sabendo que outra pessoa poderá fazê-la feliz dê um jeito ao qual infelizmente eu não posso.



 Hermione tentava processar aquela informação, não esperava por aquilo, sentiu como se tivesse levado um soco em seu estômago, de alguma forma se sentia traída. Gina sabe? 



 -Sim, sempre fui sincero, desde o início.



  Ele parecia querer colocar um ponto final no assunto, mas ela ainda não estava preparada para encerrar aquela conversa. Vocês estão juntos eu a conheço? O que de tão especial esta mulher tem para ser incapaz de confiar em mim  Harry?  Achei que éramos amigos.



 -Por favor, Hermione, apenas não há nada a se dizer, vamos parar por aqui. 



 Você não confia mais em mim? Uma lágrima solitária ameaçava cair, sabia que sua reação era no mínimo exagerada, mas honestamente não conseguia entender o que estava sentindo, definitivamente estava com raiva, mas não sabia exatamente o porquê.



 -Não seja boba é a pessoa mais importante de minha vida Hermione , apenas me sinto incapaz de falar sobre isso,pelo menos não agora acredite esse não é o momento, basta apenas saber que eu daria absolutamente tudo que tenho na vida para que ela me amasse como eu amo , infelizmente descobri estes sentimentos tarde demais.



 É por isso que tem saído com todas essas garotas? Para tentar esquecê-la? 



 -Não tenho certeza, venho lutando com meus sentimentos a um bom tempo e acredite tenho feito de tudo a meu alcance para mudar o que sinto, mas nada do que eu faça consegue preencher o vazio que carrego aqui em meu peito.



 Hermione se arrependeu no mesmo instante em ter insistido para terem aquela conversa estava magoada, envergonhada e lamentava profundamente atropelá-lo daquela maneira, qual era mesmo o objetivo daquela conversa? Satisfazer o seu próprio ego, ao seu lado Harry permanecia em silêncio, internamente odiava a si mesma  por ter quebrado aquela atmosfera leve e divertida que estavam, dando espaço a um silêncio modorrento.



Sinto muito, não pretendia ser invasiva.



 -Tá tudo bem Mione, mas o tom de voz denunciava que nada estava de fato bem, sonhou com o momento que se declararia para ela uma centena de vezes e agora que de fato tivera a chance simplesmente tinha travado como podia ser tão covarde assim.



 -Acho que deveríamos abrir a carta, já passou da meia noite. 



 Ela olhou para o relógio de seu pulso e concordou com a cabeça, pegando então o envelopinho correspondente ao mês de maio que estava pousado sobre a mesa, rasgou lentamente como se apreciando aquele breve momento em que conseguia sentir a presença de Rony a seu lado.



Maio



Querida Hermione, sei que a saudade às vezes pode apertar, e quando eventualmente sentir-se sozinha abrace meu suéter preferido, sinta meu perfume e imagine todas as vezes que a envolvia  em meus braços depois que fazíamos amor.



Ps. Eu te amo



Ela sabia que no lugar mais profundo de seu íntimo, algo estava definitivamente errado dentro dela, quando pela primeira vez não sentiu emoção ao ler as palavras de Rony,  como explicar que ao invés de querer estar envolvida no seu suéter de lã , ela preferia estar  nos braços de Harry em um de seus abraços aos quais somente ele seria capaz de lhe dar, naquele momento sentia-se suja como se estivesse profanando a memória do marido.



Ao seu lado Harry  levantou-se abruptamente , seus lábios tremiam ligeiramente e seu olhar era inexpressivo, inventando uma desculpa saiu pela porta correndo preenchendo seus pulmões com o ar frio da noite, fazia força para respirar sua visão estava embaçada dando-se conta de que  estava chorando, um uivo de dor  arranhou sua garganta , até que enfim caiu de joelhos em meio ao asfalto da rua deserta, o que estava fazendo com sua vida , desde quando sentia vergonha da pessoa que ele era , como podia sonhar em ter algo com Hermione sabendo como Ronald a amava, como podia traí-lo daquela maneira, estava enganado não era o “amigo apaixonado” da sua comédia romântica, tão pouco o protagonista era na verdade o vilão capaz de destruir tudo o que tem de mais belo e puro no mundo , o amor de duas pessoas que se amavam, destinadas a estarem juntas pelo resto de suas vidas, até mesmo depois da morte.


Compartilhe!

anúncio

Comentários (0)

Não há comentários. Seja o primeiro!
Você precisa estar logado para comentar. Faça Login.